Kuwait

Mulher trans é condenada à prisão no Kuwait por 'imitar sexo oposto'

"Essas leis violam os direitos à liberdade de expressão, vida privada", denunciou a ONG

Bandeira do Orgulho TransBandeira do Orgulho Trans - Foto: Reprodução

O Kuwait condenou uma mulher transgênero a dois anos de prisão por ter "imitado o sexo oposto" - informou a ONG de direitos humanos Human Rights Watch (HRW), que sua libertação, nesta quinta-feira (14), às autoridades. 

"Um tribunal condenou Maha al-Mutairi, de 40 anos, a dois anos de prisão e a uma multa de 1.000 dinares kuwaitianos (US$ 3.300) por ter 'abusado das comunicações telefônicas imitando o sexo oposto", disse HRW. 

A lei do Kuwait considera crime "imitar o sexo oposto" e, de acordo com a HRW, mulheres trans sofrem abusos pela polícia durante sua detenção. 

"Essas leis violam os direitos à liberdade de expressão, vida privada e não discriminação garantidas pela Constituição do Kuwait e pelo direito internacional", denunciou a ONG. 

Maha al-Mutairi foi presa várias vezes no passado, todas pelo mesmo motivo, disse sua advogada, Ibtissam al-Enezi, à AFP. 

"Mas a última condenação é a mais severa" de todas, ressaltou. 

Sua cliente pede para ser transferida para uma prisão feminina depois de ser mantida em uma cela com detentos transgêneros em uma prisão para homens. 

O Kuwait tem a reputação de ser política e ideologicamente mais aberto do que seus vizinhos do Golfo, mas a sociedade ainda é muito conservadora.

Veja também

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono
Política

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava
Bonobos

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava

Newsletter