Violência

Mulher trans é morta a facadas em Santa Cruz do Capibaribe

Suspeito da autoria do crime foi espancado por populares e socorrido em estado grave para o Recife

Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de PernambucoSanta Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco - Foto: Wikimedia Commons

A mulher trans Fabiana da Silva Lucas, de 30 anos, foi assassinada a facadas, na madrugada desta quarta-feira (7), na cidade de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco.

De acordo com informações iniciais da Polícia Civil de Pernambuco, o suspeito da autoria do crime, identificado apenas como "Gaúcho", de 22 anos, foi agredido por populares que estavam no local.

O suspeito agrediu Fabiana a facadas, às margens da PE-160. A mulher não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

A 21ª Delegacia de Santa Cruz do Capibaribe informou que imagens de câmeras de segurança instaladas na área serão colhidas pela polícia para auxiliar nas investigações.

Informações iniciais apontam que a vítima foi seguida pelo suspeito até um banheiro, onde as facadas foram dadas. O suspeito tentou fugir, mas foi contido por populares.

O homem apontado como autor do homicídio foi socorrido após o espancamento e está internado sob custódia no Hospital da Restauração (HR), no bairro do Derby, área central do Recife. O estado de saúde dele é grave.

Ainda não há informações sobre a motivação do assassinato da mulher trans. De acordo com a polícia, "as investigações continuarão até a completa elucidação" do crime.

O homicídio foi registrado e será apurado pela 17ª Delegacia Seccional de Polícia Civil de Santa Cruz do Capibaribe.

O corpo de Fabiana foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), localizado em Caruaru, no Agreste de Pernambuco.

Veja também

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantidoPandemia

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantido

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz UnicefSaúde global

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz Unicef