Mundo

5, 4, 3, 2, 1, 1... um segundo extra na contagem para 2017

O ajuste é necessário porque a rotação da Terra não é regular - às vezes acelera, às vezes desacelera

O vereador ex-presidente da OAB-PE, Jayme Asfora; O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz; O presidente da Câmara do Recife, vereador Eduardo Marques (PSB); e o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB)O vereador ex-presidente da OAB-PE, Jayme Asfora; O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz; O presidente da Câmara do Recife, vereador Eduardo Marques (PSB); e o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB) - Foto: Arthur Mota/ Folha de Pernambuco

Como se 2016 não tivesse sido longo o suficiente, o último minuto do ano vai durar um segundo extra para compensar o tempo perdido com a desaceleração da Terra, dizem os cronometristas.

Países que usam o Tempo Universal Coordenado (UTC) - várias nações da África Ocidental, Grã-Bretanha, Irlanda e Islândia - somarão o segundo intercalar durante a contagem regressiva de meia-noite para 2017, fazendo com que o minuto final do ano tenha 61 segundos de duração.

Para outros países, o tempo será determinado pelo fuso horário em que vivem, em relação ao UTC. "Este segundo extra, ou segundo intercalar, torna possível alinhar o tempo astronômico, que é irregular e determinado pela rotação da Terra, com o UTC, que é extremamente estável e é determinado por relógios atômicos desde 1967", afirmou o Observatório de Paris em um comunicado.

O observatório abriga o Serviço Internacional de Sistemas de Referência e Rotação da Terra (IERS), responsável pela sincronização do tempo. "A sequência de datas dos marcadores de segundo do UTC será: 2016 31 de dezembro 23h 59m 59s, 2016 31 de dezembro 23h 59m 60s, 2017 1 de janeiro, 0h 0m 0s", afirma o site do IERS.

Isto é causado por fatores que incluem as forças gravitacionais da Lua sobre a Terra, que dão origem às marés oceânicas.

O resultado é que o tempo astronômico - baseado na duração de um dia na Terra - gradualmente fica fora de sincronia com o tempo atômico - que é medido por cerca de 400 relógios atômicos super precisos espalhados pelo mundo.

Quando os segundos intercalares foram introduzidos, em 1972, 10 segundos tiveram de ser adicionados ao UTC, e depois disso 1 segundo passou a ser adicionado a cada cerca de 18 meses, de acordo com o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos.

O último segundo adicionado foi em 30 de junho de 2015.

Veja também

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA
Petróleo

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais
Londres

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais

Newsletter