Acordo internacional impõe cota de captura para peixe-espada no Mediterrâneo

Reservas de peixe-espada caíram 70% nos últimos 30 anos devido à pesca excessiva

Menções sobre o anúncio dos vices no twitterMenções sobre o anúncio dos vices no twitter - Foto: FGV

A Comissão Internacional para a Conservação do Atum do Atlântico (ICCAT), que reúne 50 países pesqueiros, chegou a um acordo nesta segunda-feira (21) para impôr uma cota para a captura do peixe-espada no Mediterrâneo, informaram a ONG Oceana e a União Europeia.

É a primeira vez que se impõe cotas de captura para este peixe, vítima durante décadas da sobrepesca.

Ao final de uma reunião realizada em Vilamoura (Portugal), a comissão decidiu estabelecer uma cota de no máximo 10.500 toneladas em 2017, um número que será reduzido em 3% por ano entre 2018 e 2022.

"A proposta [da União Europeia] foi adotada" pela ICCAT, indicou a Comissão Europeia em um comunicado. "Este plano de reconstituição é um passo decisivo para a preservação das reservas" acrescentou.

"Está feito. Finalmente, no seu 50º aniversário, a ICCAT deu um passo adiante na questão destas reservas que estavam descuidadas", disse à AFP Ilaria Vielmini, da ONG Oceana.

Segundo esta organização, as reservas de peixe-espada caíram 70% nos últimos 30 anos devido à pesca excessiva. Além disso, 70% dos peixes capturados são os chamados juvenis, ou seja, que têm menos de três anos e que ainda não atingiram a maturidade, segundo dados da WWF

Veja também

Irlanda e País de Gales voltam a se confinar ante aumento dos casos de coronavírus
Segunda onda

Irlanda e País de Gales voltam a se confinar ante aumento dos casos de coronavírus

Dependência econômica faz Planalto apostar em relação pragmática com Arce na Bolívia
governo

Dependência econômica faz Planalto apostar em relação pragmática com Arce na Bolívia