Acusado de ataque a tiros em escola da Flórida comparece ante tribunal

Cruz responde a 17 acusações de assassinato premeditado por cada um dos alunos e funcionários que morreram durante o ataque a tiros na escola Marjory Stoneman Douglas, na Flórida

Nikolas Cruz - com o macacão laranja - suspeito do tiroteio na escola Marjory  Stoneman DouglasNikolas Cruz - com o macacão laranja - suspeito do tiroteio na escola Marjory Stoneman Douglas - Foto: Susan Stocker-Sun Sentinel / POOL / AFP

O ex-aluno de uma escola na Flórida, acusado de matar 17 pessoas em um ataque a tiros, compareceu nesta segunda-feira (19) ante o tribunal, em sua primeira aparição pública desde que foi preso sem direito a fiança por acusações de assassinato premeditado.

Usando o uniforme laranja de presidiário, Nikolas Cruz, de 19 anos, se sentou com a cabeça baixa durante a audiência ante a juíza Elizabeth Scherer em Fort Lauderdale, na Flórida. Na audiência aventou-se se se deve desbloquear uma moção da defesa relacionada com o acesso ao seu cliente, um assunto menor no qual se prevê que será um julgamento e um processo longos.

Leia também:
Tiroteio em escola na Flórida deixa vários feridos
Trump apoia reforço do controle para compra de armas após tiroteio na Flórida


Cruz responde a 17 acusações de assassinato premeditado por cada um dos alunos e funcionários que morreram na quarta-feira durante o ataque a tiros na escola Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, na Flórida.

Ficou sob custódia sem direito a fiança na audiência de quinta-feira, após ter sido preso no dia do ataque. O jovem pôde comprar um fuzil de assalto AR-15 apesar dos diversos alertas recebidos por várias agências, incluindo o FBI, que falharam em sua atuação.

Segundo foi afirmado, seu perfil é o de um rapaz com muitos problemas e que foi expulso da escola no ano passado por "razões disciplinares". Sua mãe adotiva morreu em novembro e desde então morava com a família de um colega de escola. Os pais deste amigo disseram em entrevistas que não tinham ideia de suas tendências violentas.

"Disse a ele que havia regras e ele as seguiu rigorosamente", declarou ao jornal Sun Sentinel James Snead, de 48 anos, um veterano do Exército e especialista em Inteligência militar.

"Tínhamos este monstro em casa e não sabíamos", declarou Kimberly Snead, uma enfermeira de 49 anos. "Não vimos este lado dele", acrescentou.

Veja também

OMS considera que vacinação obrigatória deve ser último recursoSaúde

OMS considera que vacinação obrigatória deve ser último recurso

Unicef pede US$ 2 bilhões para salvar crianças afegãsAfeganistão

Unicef pede US$ 2 bilhões para salvar crianças afegãs