Advogado de Trump admite que pagou US$ 130 mil a atriz pornô ligada ao presidente

O presidente americano já foi acusado em diversas ocasiões por seu comportamento com as mulheres

Presidente dos EUA Donald TrumpPresidente dos EUA Donald Trump - Foto: Mandel Ngan / AFP

O advogado pessoal do presidente americano, Donald Trump, revelou que pagou 130.000 dólares de seu próprio bolso a uma atriz pornô que disse ter mantido um caso com o magnata do setor imobiliário em 2006.

Em um comunicado publicado no jornal "The New York Times", o advogado Michael Cohen não revelou os motivos para o pagamento. O presidente americano já foi acusado em diversas ocasiões por seu comportamento com as mulheres.

Leia também:
Casa Branca rejeita investigação no Congresso contra Trump por assédio
Trump pede votos a republicano acusado de assédio sexual


As declarações do advogado podem reativar as especulações sobre o relacionamento de Trump com sua esposa, Melania, que em janeiro cancelou uma viagem a Davos, na Suíça. O presidente compareceu ao Fórum Econômico Mundial sozinho, depois das primeiras revelações sobre o suposto caso com a atriz pornô.

Cohen disse que Trump não o reembolsou da quantia paga a Stephanie Clifford, de 38 anos, conhecida como Stormy Daniels na indústria pornográfica. O pagamento foi feito de modo legal, afirmou o advogado.

"Nem a Organização Trump nem a campanha de Trump participaram da transação com Clifford, nem ninguém me reembolsou do pagamento, direta, ou indiretamente", garantiu Cohen.

"O pagamento a Clifford foi legal e não foi uma contribuição à campanha, ou um gasto de campanha por parte de ninguém", completa o advogado no comunicado. Trump era um cidadão sem qualquer cargo público em 2006, quando supostamente aconteceu o encontro com a atriz. Ele já era casado com Melania, uma ex-modelo eslovaca, que havia dado à luz seu filho Baron quatro meses antes.

O pagamento a Clifford foi informado em 12 de janeiro pelo "Wall Street Journal". Em um comunicado, a Casa Branca negou categoricamente qualquer encontro de caráter sexual entre Donald Trump e Stormy Daniels.

"São velhas informações recicladas, que já foram publicadas e desmentidas com veemência antes da eleição presidencial de novembro de 2016", afirmou uma fonte da Presidência.

Envergonhada

Stormy Daniels apresentou sua versão da história em uma entrevista à revista "In Touch" realizada em 2011, mas que foi publicada em janeiro deste ano. De acordo com o "Wall Street Journal", ela confessou que teve relações sexuais com Donald Trump em julho de 2006, à margem de um torneio de golfe disputado perto de lago Tahoe, uma área turística entre a Califórnia e Nevada.

Entrevistada no fim de janeiro no talk-show de Jimmy Kimmel no canal ABC, Stormy Daniels, que teria assinado um acordo de confidencialidade, não revelou nada em especial, sorrindo de maneira envergonhada e evitando as perguntas do apresentador.

Durante a campanha pela Casa Branca e desde que assumiu a Presidência, Trump foi acusado por várias mulheres de assédio no passado. Ele nega as acusações de forma categórica. Durante a campanha presidencial em 2016, um vídeo de 2005 foi divulgado e, nele, o presidente Trump aparece se gabando de poder "agarrar as mulheres pela vagina" pelo simples fato de ser uma celebridade.

Muitos consideraram que o vídeo seria fatal para sua candidatura - além das denúncias de várias mulheres por assédio, ou por agressão sexual -, mas Trump foi eleito o 45° presidente da história dos Estados Unidos.

Em uma sociedade considerada puritana como a americana, o adultério é malvisto. Mas Donald Trump já demonstrou que, para ele, as regras clássicas da política não são, obrigatoriamente, aplicadas.

Veja também

Jornalista mexicano é assassinado na fronteira com os EUA, o sexto em 2020
Mundo

Jornalista mexicano é assassinado na fronteira com os EUA, o sexto em 2020

Astrônomos detectam planeta errante do porte da Terra vagando pela Via Láctea
Universo

Astrônomos detectam planeta errante do porte da Terra vagando pela Via Láctea