Investigação

Advogado de Trump defende investigação da investigação sobre ligação com a Rússia nas eleições

Rudy Giuliani, advogado do presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou hoje que a investigação sobre interferência russa nas eleições de 2016 deve ser investigada

Trump quer obrigar emissora a exibir hino nacional em jogos da NFLTrump quer obrigar emissora a exibir hino nacional em jogos da NFL - Foto: Saul Loeb/AFP

A investigação sobre as acusações de interferência russa nas eleições americanas de 2016 e sobre as suspeitas de conluio entre Moscou e a equipe de campanha de Donald Trump deve ser investigada, afirmou neste domingo (17) o advogado do presidente, Rudy Giuliani.
O departamento de Justiça deve investigar a investigação liderada pelo procurador especial Robert Mueller, "não necessariamente por causa de Mueller, mas pela gênese desta investigação russa, que se revela muito ilegal e contrária à ética", opinou Giuliani em entrevista à CNN.
"Não acredito que Mueller e sua equipe devem ser objetos de uma investigação, a menos que surjam elementos novos sobre eles", afirmou. "Falo do que levou à nomeação do promotor especial (...) aconteceram coisas estranhas", acrescentou.
"Queremos que a investigação de Mueller seja investigada da mesma maneira que se investigou a administração de Trump, e nós gostaríamos de ter um relatório sobre isso", insistiu o advogado.
A investigação de Mueller foi desencadeada em resposta aos protestos pela demissão em maio de 2017, por parte de Trump, do diretor do FBI James Comey, quem havia supervisionado previamente a investigação russa.
Recentemente, Trump redobrou os ataques contra a investigação. O presidente, que neste domingo voltou a denunciar no Twitter uma "caça às bruxas" e nega qualquer conluio ou obstrução à justiça por sua parte, disse na sexta-feira que a investigação russa estava "totalmente desacreditada".
Em mais um episódio deste caso, o jornal Washington Post revelou neste domingo que outro ex-assessor próximo a Trump, Roger Stone, também esteve em contato com um cidadão russo durante a campanha. Informações teriam sido oferecidas para prejudicar Hillary Clinton, a opositora democrata do candidato republicano, em troca de dinheiro. Ele disse ter rejeitado a oferta.

Veja também

Mais de 30 mortos em duplo atentado suicida em Bagdá
ATAQUE

Mais de 30 mortos em duplo atentado suicida em Bagdá

Bairro de Xangai é evacuado após três casos de coronavírus
COVID-19

Bairro de Xangai é evacuado após três casos de coronavírus