Mundo

Agressor do Louvre reconhece identidade e seu estado de saúde piora

O homem, gravemente ferido no ataque e sob custódia em um hospital, havia negado até o dia anterior responder as perguntas da polícia

Pirâmide do Museu do LouvrePirâmide do Museu do Louvre - Foto: Reprodução/Wikipedia

O suspeito de ser o autor do ataque com um facão contra militares no museu do Louvre, em Paris, admitiu ser Abdallah El-Hamahmy, um egípcio de 29 anos, confirmando as suspeitas da polícia, mas seu estado de saúde piorou consideravelmente nesta terça-feira (7).

"A prisão preventiva foi cancelada à tarde por causa da incompatibilidade entre a continuidade desta medida com o estado de saúde do acusado", indicou uma fonte judicial.

O homem, gravemente ferido no ataque e sob custódia em um hospital, havia negado até o dia anterior responder as perguntas da polícia, que queria confirmar sua identidade.

Na segunda-feira (6), aceitou falar e "dar uma primeira versão dos fatos", segundo uma fonte judicial.

Na sexta-feira passada (3), o agressor, que portava dois facões de 40 centímetros, se lançou contra uma patrulha de quatro militares gritando "Allahu Akbar" ("Deus é o maior", em árabe).

Um militar ficou levemente ferido antes que outro atirasse contra o agressor, ferindo-o.

Os investigadores buscavam determinar o motivo de este homem, aparentemente sem antecedentes, filho de um policial egípcio aposentado, formado em direito e funcionário de uma empresa nos Emirados Árabes Unidos, ter ido a Paris para cometer esta agressão.

O suspeito explicou que não queria agredir os militares, mas tinha a intenção de realizar uma ação com força simbólica contra a França, estragando obras de arte do museu com tintas em spray que levava em sua mochila.

A polícia sabe que Abdallah El-Hamahmy esteve na Turquia em 2015 e 2016 e quer determinar se ele cometeu o atentado sozinho ou seguindo instruções. Também trabalha para confirmar sua identidade.

O homem chegou a Paris em 26 de janeiro com um visto de turista proveniente de Dubai e se hospedou em um apartamento que alugou pela internet em junho, muito antes de entrar com o pedido de visto feito em outubro.

No apartamento a polícia não encontrou nenhuma reivindicação do ataque ou declaração de adesão a um grupo extremista.

Entretanto, os investigadores encontraram em sua conta no Twitter mensagens nas quais parece apoiar o grupo Estado Islâmico (EI).

Para seu pai, ex-policial no Egito, Abdallah El-Hamahmy não havia mostrado sinais de radicalização.

Veja também

Rússia exibe míssil de cruzeiro hipersônico Zircon em teste no mar
Guerra

Rússia exibe míssil de cruzeiro hipersônico Zircon em teste no mar

Deslizamento deixa três mortos e quatros desaparecidos na Guatemala
chuvas

Deslizamento deixa três mortos e quatros desaparecidos na Guatemala