Alunos ficam ilhados em escola após ataque de atropelador em Nova York

O incidente ocorreu na região sul de Manhattan, conhecida por abrigar a prefeitura, o distrito financeiro e o World Trade Center

Atropelador em Nova YorkAtropelador em Nova York - Foto: Don Emmert/AFP

Estudantes de uma escola em Nova York ficaram ilhados à espera de seus pais após o ataque de um atropelador que matou ao menos oito pessoas nesta terça-feira (31). Entre as crianças estão as sobrinhas de 9 e 12 da atriz brasileira Heloisa Cintra, que estudam na escola Stuyesant, ao lado do local do incidente. As garotas estão abrigadas com os pais na instituição.

Leia também
Caminhonete invade ciclovia e mata ao menos oito pessoas em Nova York
Incidente com caminhonete e tiros deixa mortos em Nova York


No ataque, que já é investigado como terrorista pelas autoridades locais, seis pessoas morreram no local e outras duas chegaram a ser socorridas, mas também morreram. O veículo invadiu uma área destinada a ciclistas e pedestres e atropelou diversas pessoas. O incidente ocorreu na região sul de Manhattan, conhecida por abrigar a prefeitura, o distrito financeiro e o World Trade Center.

Heloisa recebeu uma mensagem de seu irmão Paulo, pai das garotas, avisando do ocorrido. Mais cedo, ele havia recebido uma mensagem da filha mais velha dizendo: "Estou na escola, tem alguma coisa perigosa lá fora. Pediram para ficar na escola. Está tudo bem? Te amo".

Paulo e a mulher foram ao local, já cercada pela polícia e só tiveram acesso à escola após se identificarem como pais de estudantes. Na esquina da escola, os pais das meninas encontraram uma caminhonete com a frente batida, veículo que foi usado no atentado. Em frente à entrada da escola, havia ainda um ônibus escolar com sua lataria amassada na lateral e traseira.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump