Ambulâncias venezuelanas entram no Brasil levando cinco feridos por arma de fogo

Confronto próximo à fronteira com a Venezuela deixou dois indígenas venezuelanos mortos nesta manhã

 Soldados brasileiros organizam sacos de leite em pó que fazem parte da ajuda humanitária para a Venezuela Soldados brasileiros organizam sacos de leite em pó que fazem parte da ajuda humanitária para a Venezuela - Foto: Nelson Almeida/AFP

Duas ambulâncias venezuelanas cruzaram a fronteira brasileira nesta sexta-feira (22), fechada desde a noite anterior por ordem do presidente Nicolás Maduro, transportando cinco feridos por arma de fogo que estão sendo tratados em um hospital no estado de fronteira de Roraima.

"Neste momento cinco pacientes venezuelanos estão sendo atendidos no Hospital Geral de Roraima (HGR). Todos estão com ferimentos por arma de fogo", explicou a Secretaria Estadual de Saúde em um breve comunicado, que acrescenta que todos chegaram à unidade "em duas ambulâncias da Venezuela, acompanhados por uma médica venezuelana".

Três dos feridos estão no centro cirúrgico e dois no setor de grandes traumas deste hospital situado em Boa Vista, capital do estado fronteiriço de Roraima, situada a 215 quilômetros do limite com o país caribenho.

Leia também:
Exército da Venezuela abre fogo contra opositores e mata 2 perto da fronteira com o Brasil
Avião da FAB com ajuda humanitária à Venezuela chega a Roraima
Caravana da oposição a caminho da fronteira é atacada, dizem deputados venezuelanos


Nessa mesma manhã, dois indígenas venezuelanos morreram e 15 ficaram feridos em um confronto com militares na zona fronteiriça com o Brasil, quando tentavam impedir que os soldados bloqueassem uma estrada para a entrada de ajuda humanitária, informou um grupo de direitos humanos.

Do lado brasileiro, não confirmaram se os feridos são por esse confronto, somente que eles atravessaram a fronteira para ser atendidos. Imagens captadas já em território brasileiro mostraram a duas ambulâncias procedentes da fronteira.

Sua passagem ocorre em pleno fechamento da fronteira terrestre em Roraima, decretado na quinta-feira pelo venezuelano Nicolás Maduro, quando faltavam dois dias para a entrada de ajuda humanitária armazenada no Brasil, na Colômbia e em Curaçao, anunciada pelo líder opositor Juan Guaidó.

Veja também

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários
Privacidade

WhatsApp adia alteração de normas de serviço após fuga de usuários

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19
Pandemia

Mundo tem mais de 2 milhões de mortos por Covid-19