Ameaças ao Vaticano por "algum louco" são impedidas

Papa Francisco recebeu em audiência o pessoal italiano encarregado da segurança do Vaticano e agradeceu à polícia italiana por impedir ameaças ao Vaticano por 'algum louco'

Papa FranciscoPapa Francisco - Foto: Divulgação

O papa Francisco agradeceu à polícia por impedir ameaças ao Vaticano por "algum louco". A polícia italiana cuida da segurança do Vaticano e principalmente da sempre lotada Praça de São Pedro ante a possibilidade de algum louco cometer um massacre.

Papa discursa sobre ameaças ao Vaticano

"Agradeço por vossa vigilante presença e pela assistência que prestam durante a celebração dos ritos litúrgicos e as inúmeras manifestações relacionadas com a basílica de São Pedro e toda a Cidade do Vaticano", afirmou o papa ao receber em audiência o pessoal italiano encarregado da segurança do Vaticano.

"Obrigado por sua discreta e eficiente vigilância; os peregrinos que de tantas partes do mundo vem visitar o túmulo do apóstolo Pedro, têm a possibilidade de viver com tranquilidade esta importante experiência de fé", afirmou pontífice.

"Vocês se sacrificam para proteger as pessoas de que não haja nenhum louco que queira cometer um massacre e destruir tantas famílias", acrescentou.

Na audiência, participou, entre outros, o chefe da polícia italiana, Franco Gabrielli, que recordou que tanto a Santa Sé como a cidade de Roma são tema de ataques na propaganda terrorista e jihadista.

Desde os Acordos de Latrão ratificados em 1929, a Itália está encarregada de vigiar o Vaticano.

Saiba mais: 
Papa Francisco telefona e conversa com mãe de Marielle Franco
Papa Francisco comemora cinco anos de pontificado entre elogios e críticas

Veja também

Nasa anuncia descoberta inédita de água na superfície da Lua iluminada pelo Sol
Descoberta espacial

Nasa anuncia descoberta inédita de água na superfície da Lua iluminada pelo Sol

Embaixadora das Filipinas no Brasil é chamada de volta ao país após maltratar funcionária
Mundo

Embaixadora das Filipinas no Brasil é chamada de volta ao país após maltratar funcionária