Angola vai às urnas hoje para eleger o novo presidente

O novo líder deverá ser capaz de administrar um país ainda afetado por causa das quase três décadas de guerra civil e em crise

José Eduardo dos Santos, atual presidente da AngolaJosé Eduardo dos Santos, atual presidente da Angola - Foto: Pozzebom/Agência Brasil

A população de Angola vai às urnas nesta terça-feira (22) para escolher o sucessor do presidente José Eduardo dos Santos, que está há 38 anos no poder. O novo líder deverá ser capaz de administrar um país ainda afetado por causa das quase três décadas de guerra civil e em crise por ter uma economia quase exclusivamente baseada no petróleo. A informação é da EFE.

Após a Nigéria, Angola é o segundo maior produtor de petróleo da África, com uma média diária de 1,8 milhões de barris, que representam quase 95% das exportações do país. A queda dos preços do petróleo em 2013 fez com que os investimentos do governo caíssem 60%, o que acabou repercutindo na já prejudicada situação dos serviços básicos a uma população que vive, em sua grande maioria, com menos de US$ 1 ao dia.

Leia também:
República Dominicana registra entrada de mais de 18 mil venezuelanos no país


O novo presidente enfrentará a difícil tarefa de diversificar a fonte de investimentos públicos, reduzir a dependência das importações, aumentar a produção doméstica, promover o emprego entre os jovens e lutar contra a corrupção, outro dos grandes problemas do país.

Os quatro partidos que disputam o cargo prometem esses objetivos nos seus respectivos programas eleitorais, mas quem tem mais chance de vencer é o representante do Movimento Popular para a Liberdade de Angola (MPLA), João Lourenço, correligionário de José Eduardo dos Santos.

A União Nacional para a Total Independência de Angola (Unita) e seu líder, Isaias Samakuva, seguem como principais adversários dos governistas, mas as chances de triunfo são pequenas.

Os 9,7 milhões de eleitores registrados deverão decidir se confiam no novo rosto do MPLA para tentar reverter o rumo de um país que, pela abundância de seus recursos naturais, deveria estar entre os mais ricos do continente africano.

Veja também

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes
EUA

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes