Anistia Internacional pede a Trump respeito pelos direitos humanos

A nota faz ainda críticas diretas a várias das escolhas para o novo governo americano

Presidente eleito dos EUA, Donald TrumpPresidente eleito dos EUA, Donald Trump - Foto: Don Emmert/AFP

A Anistia Internacional (AI) considerou que o novo presidente dos Estados Unidos tem de abandonar a "retórica do ódio" que pautou a sua campanha e comprometer-se na defesa dos "direitos humanos para todos". Num comunicado divulgado no dia em que Donald Trump toma posse, a AI exige que o chefe de Estado "proteja os que são afetados por conflitos armados e crises, e garanta a proteção dos defensores dos direitos humanos". As inflamações são da Agência Lusa.

Num comunicado, Margaret Huang, diretora executiva da Anistia, diz que o mundo está "no meio de uma crise humanitária global, com mais pessoas a fugir da violência e das perturbações do que em qualquer outro tempo desde a Segunda Guerra Mundial".

A AI já por várias vezes mostrou preocupação com algumas propostas feitas por Trump durante a campanha, nomeadamente a criação de um registro para os muçulmanos e os "ataques inflamados contra mulheres, pessoas negras, pessoas com deficiência, LGBT, ativistas, jornalistas e críticos".

"Dizemos ao presidente Trump: todos os dias: qualquer escolha que faça vai definir o seu legado. Pode escolher deixar o mundo um lugar melhor, ou um lugar onde o ódio, o medo e a discriminação se fortalecem", lê-se no comunicado.

A nota faz ainda críticas diretas a várias das escolhas para o novo governo americano, desde o secretário de Estado, Rex Tillerson, ao chefe da Agência Central de Inteligência, Mike Pompeo, passando pelo secretário da Defesa, o general James Mattis ou o da Segurança Interna, general John Kelly, entre outros, que a AI considera terem tido posturas que não ajudam a defender os direitos humanos.

Veja também

Pausa no uso da vacina Johnson & Johnson altera planos da Europa e dos EUA
Vacina

Pausa no uso da vacina Johnson & Johnson altera planos da Europa e dos EUA

Polícia prende mais de 50 em 2ª noite de protestos após morte de homem negro nos EUA
Racismo

Polícia prende mais de 50 em 2ª noite de protestos após morte de homem negro nos EUA