Anticorpo humano protege fetos de ratos contra zika

Descoberta aumentou as esperanças de encontrar um tratamento contra o vírus

A reorganização das empresas tem exigido colaboradores múltiplos e com habilidades que não são adquiridas apenas em sala de aulaA reorganização das empresas tem exigido colaboradores múltiplos e com habilidades que não são adquiridas apenas em sala de aula - Foto: Pixabay

Um anticorpo produzido pelo corpo humano protegeu fetos de ratas grávidas contra o zika, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (7), que aumentou as esperanças de encontrar um tratamento contra o vírus, conhecido por causar malformações cerebrais em fetos humanos em desenvolvimento.

Nos experimentos em laboratório, o anticorpo neutralizou todas as cepas conhecidas do zika e reduziu "visivelmente" os níveis do vírus nos roedores infectados e nos seus fetos.

"Este é o primeiro antiviral que se demonstrou que funciona na gravidez para proteger fetos em desenvolvimento contra o zika", disse o coautor do estudo, Michael Diamond, da Escola de Medicina da Universidade de Washington.

"Isto é uma prova de que o vírus é tratável durante a gravidez e de que já temos um anticorpo humano que o combate, ao menos em ratos", destacou o cientista.

O vírus zika é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) uma emergência de saúde pública mundial. É transmitido principalmente pela picada do mosquito Aedes aegypti, mas também por contato sexual.

Na maioria dos casos, a infecção pelo zika provoca apenas sintomas leves ou passa despercebida.

Mas desde o surto que começou em 2015, o vírus tem sido associado à microcefalia - uma condição que limita o crescimento da cabeça e causa danos cerebrais em fetos em desenvolvimento.

Desse modo, mulheres grávidas infectadas pelo zika têm um risco maior de dar à luz um bebê com malformações cerebrais.

Mais de 2.300 bebês, a maioria deles no Brasil, nasceram com microcefalia ou outras malformações do sistema nervoso central relacionadas ao zika desde o ano passado em todo o mundo, de acordo com a OMS.

Não há cura nem nenhum tratamento contra o vírus.

Diamond e sua equipe obtiveram amostras de anticorpos de pessoas que se recuperaram de infecções pelo zika.

No estudo, publicado pela revista científica Nature, os pesquisadores destacaram a ação contra o zika de um anticorpo em especial, batizado ZIKV-117, colhido de apenas uma pessoa.

Os anticorpos, que são a primeira barreira de defesa humana, são proteínas em forma de Y produzidas pelo sistema imunológico em resposta à presença dos chamados antígenos, agentes patogênicos que causam doenças.

Cada tipo de anticorpo se liga a um antígeno específico, e o elimina ou imobiliza para que sejam suprimidos por outras células imunitárias.

Os pesquisadores deram o anticorpo ZIKV-117 a ratas grávidas que tinham sido injetadas com o vírus zika, e descobriram que suas placentas permaneceram normais e saudáveis em comparação com as de ratas não tratadas.

"Quase todos os fetos foram protegidos contra a infecção e a doença", explicou Diamond à AFP.

Não se sabe se a maioria dos seres humanos pode produzir naturalmente este anticorpo específico em resposta à infecção, disse Diamond. E, mesmo que pudesse, este não seria rápido o suficiente para proteger um feto - daí a necessidade de um reforço.

Os resultados poderiam ajudar a fornecer um escudo provisório contra a transmissão do zika, enquanto os cientistas desenvolvem uma vacina contra o vírus, disse o estudo.

Mas primeiro, os testes têm de ser feitos em macacos, cujo processo de gestação é muito mais semelhante ao dos humanos.

Veja também

Quarentena vai levar parte da população à pobreza absoluta, diz voz da oposição na Argentina
Mundo

Quarentena vai levar parte da população à pobreza absoluta, diz voz da oposição na Argentina

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas
Alerta

Cientistas advertem que particulas do coronavírus no ar podem ser infecciosas