Após decisão judicial, França abrirá centros para imigrantes perto de Calais

Instituições de caridade e o órgão nacional de defesa dos direitos humanos têm feito duras críticas às condições miseráveis dessas pessoas

Localizado no norte de Paris, o estabelecimento é considerado o maior em toda a União EuropeiaLocalizado no norte de Paris, o estabelecimento é considerado o maior em toda a União Europeia - Foto: Joel Saget/AFP

O governo francês fornecerá água e banheiros a migrantes em Calais e abrirá dois centros de acolhimento numa área fora da cidade. A decisão ocorreu horas depois que, nesta segunda (31), um tribunal ordenou que se encerrasse o que chamou de tratamento desumano daqueles que tentam chegar ao Reino Unido.

Menos de um ano após o local que ficou conhecido como "a selva" -na realidade, uma grande favela próxima ao porta da cidade-, ter sido desmantelado, os migrantes voltaram ao lugar. Instituições de caridade e o órgão nacional de defesa dos direitos humanos têm feito duras críticas às condições miseráveis em que essas pessoas se encontram.

O ministro do Interior, Gerard Collomb, disse que havia de 350 a 400 migrantes ao redor de Calais. no local, já chegaram a viver cerca de 10 mil migrantes. Os dois novos centros para abrigá-los serão em Bailleul e Troisvaux.

"Nós não queremos repetir os erros do passado, mas também queremos lidar com os problemas no Cais", disse Collomb, indicando sua determinação para evitar o fornecimento de instalações que possam atrair imigrantes para a cidade, tornando-a mais uma vez uma plataforma para aqueles que tentam chegar ao Reino Unido.

O acesso à água, aos chuveiros e aos banheiros serão fornecidos na área de Calais por meio de instalações móveis, disse Collomb.

Mais cedo, o Conselho de Estado, principal tribunal administrativo da França, decidiu que o tratamento dado aos migrantes era ilegal.

"O Conselho de Estado considera que as condições de vida dos migrantes revela um fracasso das autoridades públicas, que expuseram essas pessoas a tratamentos desumanos ou degradantes", afirmou em um comunicado.

Enquanto o presidente francês, Emmanuel Macron, pediu que os migrantes sejam tratados com dignidade, seu governo se recusou a abrir um novo centro de acolhimento em Calais, afirmando que ele se tornaria um ímã para os imigrantes.

Na semana passada, a ONG Human Rights Watch pressionou a França a acabar com o que descreveu como violência policial recorrente contra migrantes em Calais. Collomb disse que haveria uma investigação sobre o comportamento dos agentes de segurança.

Veja também

Alemanha vai adotar tratamento experimental usado por Trump
Coronavírus

Alemanha vai adotar tratamento experimental usado por Trump

EUA supera 25 milhões de casos de Covid-19
Coronavírus

EUA supera 25 milhões de casos de Covid-19