Após impasse, jurista inexperiente aceita cargo de premiê da Itália

Em um pronunciamento à imprensa na noite desta quinta-feira, Giuseppe Conte leu a lista de ministros e afirmou: "Vamos trabalhar com determinação para melhorar a qualidade de vida de todos os italianos"

O novo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe ConteO novo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte - Foto: Vincenzo Pinto / AFP

Giuseppe Conte, professor de direito sem experiência política, aceitou a indicação do presidente da Itália, Sergio Mattarella, para se tornar o novo primeiro-ministro do país após quase três meses de impasse desde as eleições. Em um pronunciamento à imprensa na noite desta quinta-feira (31), após se reunir com Mattarella no Palácio do Quirinale, em Roma, Conte leu a lista de ministros e afirmou: "Vamos trabalhar com determinação para melhorar a qualidade de vida de todos os italianos".

Giuseppe Conte
, 53, irá liderar o primeiro governo populista da Itália, depois que os partidos Liga, à direita, e o Movimento 5 Estrelas (M5E), à esquerda, chegaram a um acordo para a formação de um governo. Matteo Salvini, líder da Liga, será ministro do Interior, e Luigi di Maio, líder do M5E, irá assumir a pasta do Trabalho. Ambos serão também os vice-premiês.

"Compromisso, coerência, ouvir, trabalhar, paciência, senso comum, coração e mente pelo bem dos italianos. Depois de tantos obstáculos, ataques, ameaças e mentiras, parece que conseguimos", afirmou Salvini em uma rede social. Ponto sensível nas negociações das últimas semanas, o Ministério das Finanças ficará a cargo de Giovanni Tria, professor de economia em uma universidade de Roma.

Leia também
Presidente italiano aceita indicação de acadêmico como novo premiê
Premiê israelense diz que não vai 'ouvir sermão' turco sobre Jerusalém


Apesar de crítico da União Europeia e defensor da simplificação da burocracia, o que agrada à Liga, Tria não defende o abandono do euro e é visto como um nome mais moderado que o de Paolo Savona, economista antieuro que fora a primeira indicação de Conte para a pasta das Finanças e foi vetado por Mattarella na semana passada.

Na Itália, uma república parlamentarista, os ministros têm que ser aprovados pelo presidente antes de o novo governo ser ratificado pelo Parlamento. Savona considera o euro uma "prisão alemã" e sua indicação havia causado preocupação nos mercados europeus, que assistiram a uma semana de perdas em suas principais Bolsas.

Com o veto de Mattarella, Conte havia desistido no domingo (27) de aceitar o cargo, o que levou o presidente italiano a tentar formar um governo técnico interino até a realização de novas eleições, comandado pelo ex-economista do FMI (Fundo Monetário Internacional) Carlo Cottarelli. O movimento, porém, era arriscado e tinha pouca chance de sucesso no Parlamento. Pouco antes de receber Conte, Mattarella havia se reunido com Cottarelli no palácio presidencial.

Ao sair, o ex-economista do FMI afirmou que havia renunciado ao cargo oferecido pelo presidente. "Um governo de caráter político é a melhor solução para o país e evita a incerteza que novas eleições geram", disse Cottarelli. Apesar de fora da pasta das Finanças, Savona foi mantido no governo. O economista antieuro irá comandar o Ministério das Relações Europeias.

O impasse na Itália foi consequência do resultado da eleição de 4 de março, que teve o 5 Estrelas como a sigla individualmente mais votada, com 32,6% dos votos. Mas no geral, o partido mas ficou atrás da coalizão de centro-direita, que incluía a Liga e o Força Itália do ex-premiê Silvio Berlusconi.

Como nenhum grupo superou a marca de 40% necessária para governar sozinho, as siglas começaram a negociar uma aliança que pudesse ter maioria no Parlamento. Di Maio, do 5 Estrelas, disse após a votação que poderia negociar com a Liga, mas que não aceitaria a participação de Berlusconi ou de seus aliados no governo, na prática exigindo o fim da coalizão de centro-direita. Salvini, da Liga, descartou inicialmente essa possibilidade, mas, com a manutenção do impasse, acabou cedendo e aceitou uma aliança com o 5 Estrelas.

Para fechar o acordo, porém, tanto Salvini quanto Di Maio tiveram que abrir mão de comandar o país e combinaram de encontrar um nome de consenso, que acabou sendo Conte. O jurista tem ligação com o 5 Estrelas -antes da eleição, a sigla tinha indicado que ele ocuparia uma pasta de gestão e desburocratização. Além de sua falta de experiência política, Conte foi alvo de críticas também porque pode ter mentido em seu currículo.

Veja também

Restrições caem e europeus lotam ruas com avanço da vacinação
Coronavírus

Restrições caem e europeus lotam ruas com avanço da vacinação

Briga com tiros na Times Square fere 3, incluindo menina de 4 anos
EUA

Briga com tiros na Times Square fere 3, incluindo menina de 4 anos