A-A+

Após incêndio, base de pesquisa na Antártica será reinaugurada nesta quarta-feira

Evento será às 20h30 e contará com presença do vice-presidente

Nova estação da AntárticaNova estação da Antártica - Foto: Mauricio de Almeida/ TV Brasil

A reinauguração da Estação Comandante Ferraz, a base de pesquisa do Brasil na Antártica, ocorrerá nesta quarta-feira (15) às 20h30. O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, vai participar da cerimônia.

Inicialmente a reinauguração seria na terça-feira (14), mas a cerimônia teve de ser adiada porque as condições climáticas impediram a chegada do vice-presidente e demais autoridades ao local.

A Estação Comandante Ferraz foi criada em 1984, mas em 2012 foi atingida um incêndio de grande proporções. Na ocasião, dois militares morreram e 70% das suas instalações foram perdidas. O novo prédio, na Ilha Rei George, na Baía do Almirantado, foi erguido ao lado da atual base, que tem estrutura provisória.

Leia também:
Estação brasileira de pesquisa será uma das mais modernas da Antártica
Após incêndio, Mourão reinaugura base brasileira na Antártica nesta terça
Brasileiros pesquisam as riquezas da Antártica 

O governo federal investiu cerca de US$ 100 milhões na obra, e a unidade recebeu os equipamentos mais avançados do mundo. No local, pesquisadores vão realizar estudos nas áreas de biologia, oceanografia, glaciologia, meteorologia e antropologia.

O Brasil faz parte de um seleto grupo de 29 países que têm estações científicas na Antártica. Essa presença é muito importante porque, de acordo com o Tratado Antártico, só quem desenvolve pesquisas na região poderá definir o futuro do continente gelado.

A TV Brasil vai transmitir a cerimônia de reinauguração ao vivo. O vídeo a seguir, da Marinha do Brasil, conta o que é o Programa Antártico Brasileiro, o Proantar, e um pouco sobre a história da Estação Comandante Ferraz:

 

Veja também

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente
Brasil

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar