Mundo

Após Irã e Rússia, Coreia do Norte fica na mira de Trump

Um ataque nuclear da Coreia do Norte contra os Estados Unidos ou um de seus aliados provocaria uma resposta "eficaz e esmagadora" de Washington

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald TrumpO presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump - Foto: Don Emmert/AFP

Os Estados Unidos abriram nesta sexta-feira uma nova frente no cenário internacional colocando de guarda a Coreia do Norte contra qualquer desejo de lançar um ataque nuclear, depois de fazer advertências ao Irã e à Rússia.

Durante uma visita a Seul, o novo secretário de Defesa, James Mattis, advertiu nesta sexta-feira que um ataque nuclear da Coreia do Norte contra os Estados Unidos ou um de seus aliados provocaria uma resposta "eficaz e esmagadora" de Washington.

O chefe do Pentágono é o primeiro funcionário de alto escalão da administração Trump a realizar uma viagem oficial ao exterior. Chegou na quinta-feira à Coreia do Sul e continua nesta sexta-feira no Japão um giro destinado a dar garantias do compromisso de Washington com a segurança de seus aliados chave.

Na véspera desta visita, a oposição japonesa pediu ao primeiro-ministro, Shinzo Abe, que rompa seu silêncio sobre o decreto de Donald Trump que proíbe a entrada em território americano de cidadãos de sete países muçulmanos e refugiados de todos os países, e se posicione sobre o tema de direitos humanos.

"Não descartamos nada"


As declarações mais ameaçadoras do presidente republicano foram dedicadas ao Irã, após o teste recente de míssil balístico.

"O Irã está brincando com fogo - eles não apreciam o quão 'gentil' o presidente Obama foi com eles. Mas não eu!", afirmou em um de seus tuítes matinais nesta sexta-feira.

Estas medidas de represália contra pessoas ou entidades vinculadas ao programa de mísseis balísticos iraniano seriam a primeira manifestação do endurecimento anunciado por Washington contra a República Islâmica, apesar do histórico acordo sobre o programa nuclear iraniano assinado em julho de 2015 entre Teerã e as grandes potências.

Este acordo foi o grande troféu diplomático do antecessor democrata de Donald Trump, Barack Obama, que se esforçou para reduzir as tensões com o Irã.

O presidente republicano, por sua vez, recorre a um tom beligerante contra Teerã: "não descartamos nada", respondeu à imprensa quando foi perguntado sobre uma eventual ação militar. A República Islâmica denunciou ameaças "sem fundamento, repetitivas e provocativas"

Rússia e Crimeia


O mais surpreendente foi que a nova administração também atacou Moscou, já que a aproximação com o presidente russo, Vladimir Putin, era uma prioridade de Donald Trump, como se encarregou de repetir durante toda a campanha eleitoral.

Sua nova embaixadora na ONU, Nikki Haley, "condenou as ações agressivas da Rússia" na Ucrânia. Na quinta-feira afirmou ante o Conselho de Segurança que seriam mantidas as sanções contra Moscou "até que a Rússia devolva o controle da península (da Crimeia) à Ucrânia".

Depois de ter sido aprovado pelo Senado, o novo secretário de Estado, Rex Tillerson, terá que informar rapidamente as orientações dos Estados Unidos em política externa.

Este engenheiro texano de 64 anos e sem experiência política fez toda a sua carreira até o topo do grupo petrolífero ExxonMobil. É considerado próximo a vários chefes de Estado.

"Alguns não querem Rex porque se entendia bem com os dirigentes do planeta (...). É uma boa coisa, não uma coisa ruim", opinou Donald Trump em alusão a sua proximidade com Vladimir Putin.

O 69º secretário de Estado também deverá aceitar as engrenagens internas da administração. Reconheceu que a vitória do empresário do setor imobiliário não era do gosto de todos no aparato estatal.

Segundo um diplomata, o departamento de Estado, habitualmente classificado de progressista, sofre atualmente uma insurreição burocrática. Mil diplomatas e funcionários contestatários assinaram um memorando interno denunciando o recente decreto anti-imigração assinado por Donald Trump e que até hoje segue abalando as relações internacionais dos Estados Unidos.

Veja também

Deslocados forçados no mundo superam os 100 milhões pela primeira vez, diz ONU
Mundo

Deslocados forçados no mundo superam os 100 milhões pela primeira vez, diz ONU

Biden adverte para impacto 'relevante' da varíola dos macacos
Estados Unidos

Biden adverte para impacto 'relevante' da varíola dos macacos