Arcebispo australiano é condenado por acobertar abusos sexuais de padre

Fletcher foi condenado a oito anos de prisão por nove casos de abuso sexual, mas infartou e morreu em 2006; duas vítimas afirmam que contaram o crime a Philip Wilson, que era padre assistente na paróquia

Philip Wilson é dirigente da Arquidiocese de Adelaide desde 2001Philip Wilson é dirigente da Arquidiocese de Adelaide desde 2001 - Foto: Reprodução/Arquidiocese de Adelaide

Um arcebispo australiano que foi o religioso da Igreja Católica de nível mais alto no mundo a ser alvo da Justiça por acobertar casos de abuso sexual de padres foi considerado culpado e deve ser condenado a dois anos de prisão. Dirigente da Arquidiocese de Adelaide desde 2001, Philip Wilson, 67, é acusado de omitir os crimes do padre James Fletcher, que abusou de coroinhas nos anos 1970 em uma paróquia no Hunter Valley, a norte de Sydney.

Fletcher foi condenado em 2004 a oito anos de prisão por nove casos de abuso sexual, mas sofreu um infarto e morreu em 2006. Duas vítimas afirmam que contaram o crime a Wilson, que era padre assistente na paróquia. Uma delas, com dez anos na época, afirma ter ouvido do hoje arcebispo que ele faria alguma coisa. Já a outra disse ter contado o caso enquanto se confessava e foi repreendida por Wilson, que a ordenou rezar dez ave-marias.

Leia também:
Sacerdote é preso no Vaticano por pornografia infantil
Acordo com Vaticano é iminente, diz igreja oficial chinesa
Vaticano nomeia nova comissão antipedofilia


Wilson declarou que é inocente do encobrimento e não se lembra das acusações - ele foi diagnosticado com Alzheimer antes do julgamento. Ele também disse que não tinha nenhuma suspeita do comportamento do colega. O veredicto foi divulgado nesta terça-feira (22, noite de segunda no Brasil) pelo juiz Robert Stone, da corte local de Newcastle. Ele continuará em liberdade até a divulgação da sentença final, em 19 de junho.

Além de arcebispo, Wilson é presidente da Confederação dos Bispos Católicos Australianos, equivalente australiano da CNBB. Apesar de seu cargo, ele não é cardeal - status que dá poder de voto na escolha do papa. A sentença é divulgada três semanas depois que a Justiça australiana acolhesse as acusações de encobrimento dos casos de abuso sexual contra o cardeal George Pell, tesoureiro do Vaticano e número três no comando clerical.

Na semana passada, 34 bispos do Chile renunciaram a seus cargos pelo mesmo motivo. Em ambos os países os casos de pedofilia abalaram a reputação da Igreja Católica.

Veja também

Pelo menos 11 mortos e 98 feridos em acidente ferroviário no Egito

Pelo menos 11 mortos e 98 feridos em acidente ferroviário no Egito

Verstappen vence o GP de F1 da Emilia-Romagna, Hamilton é o segundo
Fórmula 1

Verstappen vence o GP de F1 da Emilia-Romagna, Hamilton é o segundo