Argentina fecha o segundo acordo com o FMI

Os detalhes foram negociados pela diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, e o ministro da Economia argentino, Nicolás Dujovne, e o novo presidente do Banco Central, Guido Sandlers

Christine Lagarde, diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI)Christine Lagarde, diretora gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O governo da Argentina fechou nesta quarta-feira (26) o segundo acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) em três meses. Os detalhes foram negociados pela diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, e o ministro da Economia argentino, Nicolás Dujovne, e o novo presidente do Banco Central, Guido Sandlers.

Leia também
Presidente do Banco Central da Argentina renuncia ao cargo
Sindicatos paralisam a Argentina em plena crise econômica
Protestos durante greve geral bloqueiam principais pontos de Buenos Aires; veja fotos

A previsão é receber um novo empréstimo no valor de US$ 7,1 bilhões do FMI, que vão se somar aos repasses anteriores que totalizam US$ 50 bilhões. O acordo foi anunciado em Nova York, por Dujovne e Christine Lagarde.

Suficiente
Segundo o ministro Dujovne, esse empréstimo é suficiente para cobrir as obrigações do país em dois anos. O dinheiro será desembolsado automaticamente, na medida em que o governo argentino cumprir as metas, como zerar o déficit no ano que vem. A expectativa, segundo analistas econômicos, é grande porque a Argentina está numa situação delicada: tem uma inflação que este ano deve chegar a 45%, se o dólar não continuar subindo. Só este ano, a moeda argentina perdeu metade do seu valor.

Histórico
Em junho, a Argentina recorreu ao FMI, pela primeira vez em 13 anos, sob o argumento que precisa de dinheiro para frear a disparada do dólar. O fundo emprestou US$ 50 bilhões. Os recursos, conforme negociação, seriam liberados em etapas até 2022. Em contrapartida, o governo argentino se responsabilizaria em equilibrar suas contas e não gastar mais do que arrecada.

Porém, no mês passado, a Argentina sofreu outra crise cambial e teve de pedir ao FMI para rever o acordo e antecipar os desembolsos. Em troca, prometeu fazer um ajuste interno ainda maior e zerar o déficit fiscal em 2019 – ano eleitoral. Em meio às negociações, o então presidente do Banco Central, Luis Caputo, renunciou nessa terça-feira (25). Ele ficou três meses no cargo. O sucessor dele, Guido Sandlers, assumiu a responsabilidade de anunciar os detalhes deste segundo acordo com o FMI.

Veja também

Organizadores de ato que terminou com invasão do Capitólio trabalharam para campanha de Trump
EUA

Organizadores de ato que terminou com invasão do Capitólio trabalharam para campanha de Trump

Biden turbina auxílio emergencial para enfrentar crise de fome agravada pela Covid-19
EUA

Biden turbina auxílio emergencial para enfrentar crise de fome agravada pela Covid-19