A-A+

Argentinos denunciam abusos de padres à ONU e exigem desculpas da Igreja

Delegação, que inclui advogados, embarcaram para a sede suíça da ONU e devem seguir para Roma

VaticanoVaticano - Foto: Hoy Digital / Internet

Um grupo de argentinos, vítimas de abuso sexual cometido por padres, viajou na sexta-feira para a sede suíça da ONU para apresentar suas queixas à organização, para embarcar em seguida para Roma onde vão exigir um pedido de desculpas da Igreja Católica.

A delegação inclui advogados que apresentarão um relatório ao Comitê Contra a Tortura em Genebra e outro ao Comitê dos Direitos da Criança, informaram. O grupo solicitou uma audiência com o papa Francisco, mas ainda não obteve resposta.

Um dos advogados, Daniel Esgardeli, explicou que "será solicitado um pedido de desculpas internacional e ações concretas contra esses casos". No documento, os denunciantes asseguram que as autoridades do Vaticano "não fizeram nada para impedir os abusos e não colaboraram amparando-se noo segredo pontifício".

Leia também:
Posições sobre celibato causam polêmica no Vaticano
Papa denuncia injustiças na Amazônia e evita pronunciamento sobre padres casados

Os casos argentinos mencionados estão concentrados em duas sedes do Instituto Antonio Próvolo, uma instituição educacional e religiosa para surdos. Em novembro, a justiça condenou o padre argentino Horacio Corbacho (de 59 anos) a 45 anos de prisão e o italiano Nicola Corradi (83) a 42 anos por abuso sexual e estupro de crianças no instituto Próvolo de Mendoza (oeste do país).

Nos dois casos, foi considerado agravante o fato deles serem responsáveis pela custódia das crianças e ministros de culto, além do fato de as vítimas serem menores e de viverem com seus agressores no internato.

Veja também

Tribunal declara ex-sócio de advogado de Trump culpado por financiamento ilegal de campanha
Estados Unidos

Tribunal declara ex-sócio de advogado de Trump culpado por financiamento ilegal de campanha

Arábia Saudita deseja alcançar a neutralidade de carbono até 2060
Clima

Arábia Saudita deseja alcançar a neutralidade de carbono até 2060