Assad rejeita trégua em Wadi Barada e exclui negociar sua saída

Combates ameaçam o cessar-fogo patrocinado pela Rússia e Turquia

Apoio ao vice-prefeito foi formalizado pelo prefeito Joãozinho tenório (PSDB) aproveitando visita do deputado André Ferreira (PSC)Apoio ao vice-prefeito foi formalizado pelo prefeito Joãozinho tenório (PSDB) aproveitando visita do deputado André Ferreira (PSC) - Foto: Kenneth Menezes

O presidente sírio, Bashar al-Assad, descartou qualquer cessar-fogo na região de Wadi Barada, que alimenta Damasco com água potável, e voltou a negar que a sua saída seja discutida durante as negociações previstas para o fim de janeiro no Cazaquistão.

Depois de recuperar a cidade de Aleppo, as tropas do regime e o Hezbollah xiita libanês conduzem uma ofensiva para expulsar os rebeldes da cidade de Wadi Barada, a 15 km de Damasco, e assim tomar as principais fontes de abastecimento de água para a capital.

Os combates ameaçam o cessar-fogo patrocinado pela Rússia e Turquia, que entrou em vigor em 30 de dezembro e que deve ser um prelúdio para as negociações de paz previstas para o final de janeiro, em Astana.

"O papel do exército sírio é libertar essa área para evitar que os terroristas usem (a arma) da água para sufocar a capital", disse em uma entrevista à imprensa francesa.

De acordo com Assad, o cessar-fogo "é violado porque os terroristas ocupam a principal fonte de água de Damasco, privando mais de cinco milhões de civis de água potável há três semanas".

Além disso, "o cessar-fogo não inclui o grupo Estado Islâmico (EI) ou a Frente Al-Nusra, e a região (de Wadi Barada) onde a luta está ocorrendo é ocupada pela Al-Nusra". "Portanto, não é parte do acordo de cessar-fogo", disse ele.

A Frente Al-Nusra foi rebatizada de Fatah al-Sham após se distanciar da Al-Qaeda.

Nesta segunda-feira (9), intensos combates em várias frentes em Wadi Barada opunham as forças do regime e combatentes do Hezbollah aos rebeldes, com uma minoria de combatentes da Fatah al-Sham, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

O regime realizou no domingo uma dezena de ataques e bombardeios de artilharia após o fracasso das negociações para o reparo da estação de abastecimento de água de Ain al-Fijé, segundo a mesma fonte.

O governo sírio acusa os rebeldes de "contaminar com diesel" as reservas de água, o que os insurgentes negam, garantindo que a infraestrutura foi destruída pelos bombardeios do regime.

Referendo
Com sua vitória em Aleppo, conquistada com a ajuda dos russos e iranianos em 22 de dezembro, Assad excluiu a possibilidade de se discutir em Astana a sua partida, reivindicada pela oposição desde o início da revolta, em 2011.

"Estamos prontos para negociar tudo", disse ele. Mas "o meu status depende da Constituição e esta última é muito clara sobre a maneira como devemos eleger ou se livrar de um presidente", disse.

"Então, se eles (a oposição) querem negociar a partir desse ponto, devem discutir a Constituição, e isso não cabe nem ao presidente, nem ao governo, nem à oposição, mas ao povo sírio e, portanto, deve haver um referendo", ressaltou.

As negociações de Astana devem tentar acabar com a guerra civil que deixou mais de 310.000 mortos e milhões de refugiados desde 2011.

Para a negociadora da oposição Basma Kodmani, "os russos estão, neste momento, sérios e determinados. Eles querem sair do conflito, eles optaram pela opção militar, e foram tão longe que é de seu interesse sair".

"Eles não podem obter uma vitória total, que duraria anos (...) Então, agora eles querem uma solução política e que esta reunião em Astana seja credível", disse ela à AFP.

Neste conflito extremamente complexo, que envolve uma multiplicidade de atores internacionais e regionais, grupos rebeldes e jihadistas, a coalizão liderada pelos Estados Unidos matou no domingo 25 extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) em uma rara operação em terra no leste da Síria.

De acordo com o OSDH, 14 destes extremistas foram mortos a bordo de um veículo atingido pelas forças especiais e outros 11 em um ataque contra uma estação de água controlada pelo EI na aldeia de al-Koubar, onde fortes combates acontecem.

A coalizão lidera desde o verão de 2014 ataques aéreos contra o EI no Iraque e na Síria, mas raramente realiza operações terrestres.

Veja também

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip
Realeza

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia
Ásia

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia