Assessora de Trump poderá ser punida por quebra de ética

Entrevistada pelo canal Fox na Casa Branca, Kellyanne convidou os telespectadores a comprar os produtos de Ivanka Trump

Presidente dos EUA, Donald Trump Presidente dos EUA, Donald Trump  - Foto: AFP

O Escritório de Ética do governo dos Estados Unidos avaliou, nesta terça-feira (14), que Kellyanne Conway - conselheira de Donald Trump - "violou" as normas, ao publicizar produtos da filha do presidente, Ivanka, e considerou que ela deve ser punida.

Entrevistada pelo canal Fox na Casa Branca, Kellyanne convidou os telespectadores a comprar os produtos de Ivanka Trump.

Trata-se de "uma violação clara da proibição de abusar de uma posição", declarou o Office of Government Ethics (OGE) em uma mensagem dirigida ao responsável de ética da Presidência publicada nesta terça.

O Executivo deveria "pensar em tomar uma medida disciplinar contra ela", acrescenta a mensagem, explicando que os funcionários "devem usar sua autoridade em benefício do povo americano", e não para fins privados.

"Comprem os produtos de Ivanka. Odeio fazer compras, mas vou comprá-los hoje", disse Kellyanne Conway na última quinta-feira (9), em uma entrevista.

A assessora do presidente reagiu, assim, à decisão da rede Nordstrom de deixar de vender a linha de acessórios de Ivanka Trump. A medida havia provocado a revolta do presidente Trump dois dias antes.

Depois, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, declarou que Conway recebeu uma chamada de atenção sobre o assunto. Em carta, o Escritório de Ética destacou que não recebeu "notificação de qualquer medida disciplinar, ou corretiva, contra a senhora Conway".

Veja também

América Latina e Caribe superam 40 milhões de casos de Covid-19
Coronavírus

América Latina e Caribe superam 40 milhões de casos de Covid-19

Nasa seleciona SpaceX para missão à lua de Júpiter
ESPAÇO

Nasa seleciona SpaceX para missão à lua de Júpiter