Ataque aéreo contra escola na Síria mata 22 crianças e seis professores

Segundo comunicado oficial, a instituição de ensino foi atacada "várias vezes"

Prefeito Miguel Coelho acompanha a requalificação do monumentoPrefeito Miguel Coelho acompanha a requalificação do monumento - Foto: Jonas Santos/Divulgação

O ataque aéreo contra uma escola na província de Idlib, no noroeste da Síria, matou 22 crianças e seis professores nesta quarta-feira (26), anunciou a Unicef. Em um comunicado, o diretor-geral do organismo da ONU, Anthony Lake, denunciou "uma tragédia" e um possível "crime de guerra". Segundo Lake, pode se tratar do "ataque mais mortífero contra uma escola desde o início da guerra" na Síria, há cinco anos e meio.

"É uma tragédia, um escândalo e se isto foi deliberado, trata-se de um crime de guerra", afirmou. A escola foi atacada "várias vezes", destacou o comunicado, sem dar detalhes. Um boletim precedente informava a morte de 35 civis, sendo 11 crianças. Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), "aviões militares - sírios ou russos - realizaram seis bombardeios sobre a cidade de Hass, contra uma escola e seus arredores".

A Unicef não citou os possíveis autores do bombardeio. Um projétil caiu na entrada da escola no fim da manhã, no momento em que as crianças eram retiradas do edifício devido aos bombardeios, afirmou à AFP um militante antigovernamental do Idleb Media Center, que pediu o anonimato. A província de Idleb está controlada pelo Exército da Conquista, uma aliança de grupos rebeldes que inclui a Frente Fateh al Sham, ex-braço sírio da Al-Qaeda. Desde o início de 2011, a guerra civil provocou na Síria a morte de mais de 300.000 pessoas, e o deslocamento de mais da metade da população.

Veja também

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra
Coronavírus

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra

Bomba em escola paquistanesa deixa 7 mortos e mais de 80 feridos
internacional

Bomba em escola paquistanesa deixa 7 mortos e mais de 80 feridos