Mundo

Ataque aéreo mata 25 na Síria, entre eles, extremistas

O ataque foi contra uma sede do ex-braço sírio da Al-Qaeda na província de Idleb

Deputada Alessandra Vieira (PSDB) e outras lideranças do partido participarão do encontroDeputada Alessandra Vieira (PSDB) e outras lideranças do partido participarão do encontro - Foto: Divulgação

Pelo menos 25 membros do grupo Frente Fateh al-Sham, incluindo vários de seus líderes, morreram nesta terça-feira (3) em um ataque de aviões não identificados contra uma sede desse ex-braço sírio da Al-Qaeda na província de Idleb (noroeste) - afirmou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

O OSDH relatou que o ataque teve como alvo "uma das sedes mais importantes do grupo" na Síria, mas não informou sua origem - a coalizão internacional dirigida pelos Estados Unidos, ou a Rússia e seu aliado, o governo de Bashar al-Assad.

"Ao menos 25 membros (do grupo), entre eles seus chefes, morreram na localidade de Sarmada, onde estavam em uma reunião", disse à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

Em mensagem criptografada no aplicativo Telegram, a Frente Fateh al-Sham acusou a coalizão internacional de ter lançado o ataque e se referiu a "mais de 20 mortos".

Segundo um correspondente da AFP, vários bombardeios tiveram como alvo outros lugares em Sarmada, entre eles uma barragem em poder da Frente Fateh al-Sham.

Essa organização extremista está excluída da trégua em vigor na Síria desde a última quinta-feira (29) e que é patrocinada por Rússia, aliada de Damasco, e Turquia, apoio dos insurgentes.

Grande parte da província de Idleb está nas mãos da Fateh al-Sham e de grupos rebeldes aliados.

No domingo, ataques aéreos na região de Sarmada tiveram dois automóveis como alvo. Os veículos transportavam três chefes da Frente Fateh al-Sham na Síria, mortos na ofensiva, de acordo com o OSDH.

Veja também

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA
Petróleo

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais
Londres

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais

Newsletter