Mundo

Ataque com faca em Paris deixa um morto e 4 feridos; Estado Islâmico reivindica

Antes de ser abatido, o homem gritou "Allahu Akbar" (Deus é Grande), anunciou o promotor de Paris, que confiou a investigação à seção antiterrorista da promotoria

Policiais, bombeiros e equipes de emergência em rua de Paris bloqueada após ataquePoliciais, bombeiros e equipes de emergência em rua de Paris bloqueada após ataque - Foto: Thomas Samson/AFP

O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou o ataque com faca que deixou um morto e quatro feridos em pleno centro de Paris neste sábado (12), anunciou o grupo de monitoramento SITE. "O executor da operação de esfaqueamento na cidade de Paris é um soldado do Estado Islâmico e a operação foi realizada em resposta aos chamados a tomar como alvo os Estados da coalizão", disse uma "fonte de segurança" à agência de propaganda Amaq, porta-voz do grupo Estado Islâmico.

Antes de ser abatido, o homem gritou "Allahu Akbar" (Deus é Grande), anunciou o promotor de Paris, que confiou a investigação à seção antiterrorista da promotoria. "Com base em testemunhos segundo os quais o agressor teria gritado 'Allahu Akbar' ao atacar pedestres com uma faca, e no modo de operação, confiamos a investigação à seção antiterrorista da promotoria de Paris", declarou François Molins ante a imprensa.

Leia também:
Ataque do Estado Islâmico em Cabul deixa ao menos 48 mortos 
Presidente iraniano diz que Estado Islâmico chegou ao fim


A promotoria abriu a investigação por "assassinato" e "tentativa de assassinato" em "relação com uma empresa terrorista", acrescentou o promotor, que foi imediatamente ao lugar dos acontecimentos.

O ataque ocorreu no II arrondissement da capital francesa, perto da Ópera Garnier, uma zona central cheia de bares, restaurantes e teatros, muito movimentada nas noites de sábado. Pouco antes das 21h, o homem esfaqueou cinco pessoas, entre elas um pedestre que morreu. A polícia interveio imediatamente e matou o agressor.

A França pagou "de novo o preço do sangue", reagiu o presidente Emmanuel Macron, assegurando que o país não cederá "nem um pouco ante os inimigos da liberdade".

Veja também

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas
Ataque

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo, segundo agência europeia
Internacional

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo