Ataque da coalizão no Iraque atinge estacionamento de hospital

A coalizão diz que está tomando amplas medidas de precaução para evitar o massacre de civis durante os ataques contra alvos do EI

A coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI) pode ter causado mortes de civis nesta quinta-feira (29) durante um ataque aéreo contra o estacionamento de um hospital do norte do Iraque, informaram fontes militares.

O Exército iraquiano, apoiado pela coalizão, começou a segunda fase de sua ofensiva para retomar Mossul, a segunda cidade do Iraque e controlada pelo EI há mais de dois anos.

Um avião da coalizão detectou uma "caminhonete que transportava combatentes do EI" na área, segundo o Centcom, o comando militar americano para o Oriente Médio. O ataque ocorreu "no que depois se determinou como sendo o estacionamento de um hospital, o que poderia acarretar vítimas civis", segundo uma declaração.

Os combatentes do EI tinham sido vistos disparado uma arma antitanque "antes de embarcar a arma em uma caminhonete e sair no carro", acrescentou o Centcom, prometendo que o incidente será "investigado plenamente e os resultados, publicados de forma transparente e oportuna".

A coalizão diz que está tomando amplas medidas de precaução para evitar o massacre de civis durante os ataques contra alvos do EI. Costuma usar bombas guiadas de precisão ou mísseis para disparar contra alvos observados durante horas através de drones.

Mas a coalizão já admitiu ter matado pelo menos 173 civis em seus ataques no Iraque e na Síria desde o começo de sua campanha contra o EI, uma cifra que os observadores independentes consideram altamente subestimada.

A ONG Airwars, com sede em Londres, calcula que a cifra real é superior aos 2.000 civis.

Veja também

Dez entidades pedem à França que corte importação de produtos brasileiros
Meio Ambiente

Dez entidades pedem à França que corte importação de produtos brasileiros

Prédio da ONU é atacado no oeste do Afeganistão
Atentado

Prédio da ONU é atacado no oeste do Afeganistão