Atentado em acampamento na Síria deixa pelo menos onze mortos

Dos onze mortos, "quatro pertenciam a uma mesma família", segundo o OSDH

Situação na SíriaSituação na Síria - Foto: Abd Doumany / AFP

Um atentado com carro-bomba matou neste sábado ao menos onze civis em um acampamento de deslocados na Síria, perto da fronteira com a Jordânia, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). Uma fonte militar da Jordânia, citada pela agência de imprensa oficial Petra, confirmou este ataque perpetrado no acampamento Al Rokban, e deu o balanço de 14 feridos que foram transferidos a uma clínica próxima.

Dos onze mortos, "quatro pertenciam a uma mesma família", segundo o OSDH. Outras quatro pessoas pertenciam a tribos locais do leste da Síria que lutam contra o grupo radical Estado Islâmico (EI).

O OSDH, dirigido por Rami Abdel Rahman, conta com uma rede de fontes informativas em todo o país. Cerca de de 85.000 deslocados se encontram neste acampamento improvisado de Al Rokban, situado no extremo sul da Síria, segundo a ONU.

O campo se encontra em uma região desértica, na fronteira com a Jordânia. As autoridades jordanianas impedem a entrada desses sírios por suspeita de que parte deles sejam partidários do grupo extremista Estado Islâmico (EI) e porque, segundo elas, a maioria vem de zona sob controle do mesmo, como Raqa (norte) e Deir Ezor (este).

Além disso, a Jordânia deixa passar a conta-gotas a ajuda humanitária destinada a este acampamento desde o atentado suicida de 21 de junho contra seu exército na região de Rokban. O reino decretou "zona militar fechada" suas fronteiras com a Síria e o Iraque.

A região desértica se encontra em um triângulo em que confluem as fronteiras de Jordânia, Síria e Iraque.

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd
EUA

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd