Ativistas exigem que Miami volte a ser santuário para imigrantes

Cerca de 20 pessoas, de várias organizações, protestaram nesta sexta-feira diante da prefeitura com cartazes que diziam "Giménez não seja como Trump"

Ativistas de direitos humanos exigiram do prefeito de Miami-Dade, Carlos Giménez, que devolva ao condado o status de "santuário" para os imigrantes em situação ilegal, depois que o político decidiu obedecer as ordens de Donald Trump no tema.

Cerca de 20 pessoas, de várias organizações, protestaram nesta sexta-feira (27) diante da prefeitura com cartazes que diziam "Giménez não seja como Trump" e "Estamos aqui para ficar", enquanto cantavam "Aqui estamos e não vamos embora e, se nos tirarem daqui, nós voltamos".

Várias organizações de direitos humanos e de defesa dos imigrantes também levantaram a voz."É vergonhoso que o prefeito Giménez se una a essa onda de ataques racistas que estão causando pânico entre as pessoas", disse a ativista María Bilbao, da United Families.

A ONG United We Dream está reunindo assinaturas em uma página on-line para forçar o prefeito a "resistir a Trump e às suas políticas anti-imigrantes, que destruirão famílias e prejudicarão nossa economia".

Na quinta-feira, o prefeito de Miami-Dade, Carlos Giménez, ordenou aos presídios locais que mantenham sob custódia os imigrantes em situação clandestina, se o governo federal solicitar. O objetivo é limpar sua reputação de "cidade santuário" e não pôr em risco o ingresso de recursos federais.

Após a ordem executiva assinada por Trump na quarta, cerca de 300 "cidades santuário" correm o risco de ficar sem fundos do governo federal.

Veja também

Biden diz que Trump lhe deixou uma carta 'muito generosa'
EUA

Biden diz que Trump lhe deixou uma carta 'muito generosa'

Covid-19: ministros e embaixador chinês discutem envio de insumos
Vacina

Covid-19: ministros e embaixador chinês discutem envio de insumos