Austrália dá exemplo ao iniciar protestos contra as mudanças climáticas antes da cúpula da ONU

Movimento que está sendo anunciado como “greve climática global” iniciou na maior cidade da Austrália, Sydney, e na capital do país, Canberra

Milhares de manifestantes australianos em movimento a favor de mudanças climáticasMilhares de manifestantes australianos em movimento a favor de mudanças climáticas - Foto: Fox

Na sexta feira 20/10, milhares de manifestantes se reuniram em comícios pela Austrália, movimentando manifestações que objetivavam ações para proteger o planeta contra as mudanças climáticas que assolam o mundo. A Austrália, neste quesito, deu o exemplo ao iniciar os protestos antes mesmo que a cúpula da ONU – Organização das Nações Unidas – acontecesse.

O movimento que está sendo anunciado como “greve climática global” iniciou na maior cidade da Austrália, Sydney, e na capital do país, Canberra. A Austrália é o maior exportador mundial de carvão e gás natural líquido, de forma que os manifestantes exigiam que o governo tomasse medidas drásticas para reduzir a emissão de gases que contribuem para o efeito estufa.

Os protestos foram parcialmente inspirados pela ativista sueca Greta Thunberg, de apenas 16 anos, a qual realizou manifestações semanais chamadas de “Fridays for Future (tradução livre: sextas para o futuro)”. Nessas manifestações, Greta solicitava que os líderes mundiais intensificassem seus esforços contra as mudanças climáticas. Apesar de a maioria dos seguidores da adolescente ser composta por estudantes, logo grupos da sociedade civil a acompanharam nos protestos.

Mudanças climáticas na Austrália

Rica em belezas naturais, a Austrália é reconhecida como um país de diversidade incomparável, com uma fauna e flora única e diversificada. Entre os símbolos mais conhecidos no país estão os marsupiais, tais como o canguru, o emu e o coala. A representação é tão grande que alguns estão presentes no brasão australiano, além de materiais para promover o turismo no país e em jogos de cassino temáticos, como o Kangaroo Land.

Greta Thunberg, ativista a favor de mudanças climáticas, é inspiração para manifestações realizadas em todo o mundo

Greta Thunberg, ativista a favor de mudanças climáticas, é inspiração para manifestações realizadas em todo o mundo - Crédito: Sky News

As manifestações aconteceram justamente quando a oposição centro-esquerda do país se nega a reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A coalizão conservadora do primeiro ministro Scott Morrison ganhou um terceiro mandato com o compromisso de reduzir de 26 a 28% das emissões até 2030.

Apoio universitário e trabalhista

Universidades australianas anunciaram que não irão penalizar os alunos por participarem dos comícios de sexta-feira. Em oposição completamente oposta a este apoio, o parlamentar Craig Kelly, na quinta-feira, disse aos estudantes que planejavam se juntar à greve climática de sexta-feira que "estão sendo usados e manipulados e tudo o que é dito é mentira". Kelly acrescenta, que “ a geração de hoje é mais segura contra condições climáticas extremas do que em qualquer outro momento da história”.

Algumas empresas estão incentivando seus funcionários a participarem da greve climática. O Conselho Sindical da Austrália (Australian Council of Trade Unions), que representa os sindicatos, disse que apoia os funcionários que tiram uma folga do trabalho para protestar. O conselho disse em comunicado que "é preciso fazer alguma coisa em relação ao nosso futuro quando nosso governo não o fará".

A Austrália mostrou-se um exemplo para o mundo ao iniciar as manifestações a favor de mudanças climáticas imediatas. O mundo está ficando insustentável e medidas devem ser promovidas o quanto antes. Neste momento, é necessário esperar coalisões benéficas entre líderes de estado em prol deste objetivo comum a todos.

Austrália está entre os países mais afetados pela mudança climática

Uma projeção feita pela Agência Nacional de Ciência Australiana (CSIRO) e pelo Instituto Bureau de Meteorologia indicou que a Austrália poderá ser muito afetado nos próximos anos pelas mudanças climáticas. Uma análise realizada em 40 modelos climáticos concluiu que o país pode sofrer um aumento de mais de 5ºC em sua média de temperatura até o final do século.

O interior e a região costeira do país poderão sentir, mais rapidamente, os reflexos das mudanças. A estimativa é que, em 2090, a cidade de Melbourne tenha, em média, 24 dias por ano acima de 35ºC, contra apenas 11 em 1995. Em Sidney serão 11 dias acima dos 35ºC, quando em 1995 eram 3.

Também o nível do mar também deverá subir até 82 centímetros até o fim do século, ameaçando as comunidades costeiras podendo fazer com que a camada de gelo da Antártida entre em colapso.

 

Veja também

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte
internacional

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte

Mustapha Adib, terceiro primeiro-ministro a jogar a toalha em um Líbano em crise
Líbano

Mustapha Adib, terceiro primeiro-ministro a jogar a toalha em um Líbano em crise