Austrália inicia consulta sobre o casamento gay

Resultado da pesquisa, que será enviada via correio, pode abrir caminho para legalização no País

Campanha em favor do "sim" nas ruas de SydneyCampanha em favor do "sim" nas ruas de Sydney - Foto: Saeed Khan/AFP

Os australianos começaram a receber nesta terça-feira (12) pelo correio uma pesquisa sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O resultado não será vinculante, mas pode abrir o caminho para a legalização.

A pesquisa por correio chegará a 15 milhões de australianos com a pergunta "A lei deveria mudar para permitir que casais do mesmo sexo se casem?" e duas opções de resposta: sim ou não. A consulta terminará no dia 7 de novembro e os resultados, não vinculantes, serão divulgados no dia 15 do mesmo mês.

Leia também:
Parlamento alemão aprova legalização do casamento gay no país
Justiça de Taiwan se pronuncia a favor do casamento gay


Depois que o Senado australiano rejeitou por duas vezes a organização de um plebiscito, uma das promessas de campanha do atual governo conservador, o Executivo decidiu organizar uma pesquisa por correio. Caso a maioria dos australianos responda "sim", o governo se compromete a organizar uma votação no Parlamento para mudar as leis sobre o matrimônio.

A questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo está no debate político australiano há vários anos e, segundo uma pesquisa da Fairfax Media publicada nesta terça-feira (12), 70% dos australianos aprovam a medida.

Os partidários do "sim" denunciam que a pesquisa pelo correio tradicional poderia deixar de fora muitos jovens que utilizam as novas tecnologias e que são favoráveis ao casamento gay. Ao mesmo tempo, os deputados do Partido Nacional questionam a capacidade do serviço postal para alcançar as zonas rurais mais remotas do país.

Veja também

Covid-19: OMS aponta presença da variante de Manaus em oito países
Coronavírus

Covid-19: OMS aponta presença da variante de Manaus em oito países

Viajante do Brasil ficará em quarentena vigiada por 10 dias, anuncia Boris Johnson
Coronavírus

Viajante do Brasil ficará em quarentena vigiada por 10 dias, anuncia Boris Johnson