Autópsia confirma que arma química matou irmão de ditador norte-coreano

Ele foi morto pela paralisia provocada pelo gás VX,

Ditador norte-coreano Kim Jong-uDitador norte-coreano Kim Jong-u - Foto: STR / KCNA VIA KNS / AFP

A autópsia de Kim Jong-nam, meio-irmão do ditador norte-coreano Kim Jong-un, confirmou que ele foi morto pela paralisia provocada pelo gás VX, considerado uma arma de destruição em massa.

O resultado foi divulgado neste domingo (26) pelo Ministério da Saúde da Malásia. Kim Jong-nam foi assassinado no aeroporto internacional de Kuala Lumpur no último dia 13. A polícia prendeu quatro pessoas suspeitas do crime.

A conclusão aponta que Kim Jong-nam, 45, sofreu "uma paralisia muito grave" e morreu em "um período de 15 a 20 minutos", afirmou o ministro malasiano da Saúde, Subramaniam Sathasivam. Segundo ele, foi uma morte "muito dolorosa".

Além das quatro pessoas detidas -uma vietnamita, uma indonésia, um malasiano e um norte-coreano-, a polícia malasiana quer interrogar outros sete norte-coreanos, incluindo um diplomata da Embaixada da Coreia do Norte em Kuala Lumpur. Quatro deles, porém, deixaram a Malásia no dia do assassinato.

Imagens de câmeras de segurança do aeroporto mostram o momento em que duas mulheres se aproximam de Kim Jong-nam e uma delas lança algo no rosto dele. As duas suspeitas detidas alegam ter sido enganadas e que não sabiam o que faziam.

As autoridades malasianas também declararam neste domingo que o aeroporto internacional de Kuala Lumpur passou por descontaminação e está seguro.

O VX é um gás de ação mais rápida que seus congêneres, o sarin e o mostarda. Quem o inala demora menos a morrer devido a sua intensa ação no sistema nervoso central, provocando convulsões e insuficiência respiratória.

O agente químico está entre as substâncias proibidas pela Convenção de Armas Químicas, de 1992, e que deveriam ser destruídas até 2002. A Coreia do Norte, porém, está entre os cinco países que não são signatários.

Pequeno general


Kim Jong-nam, filho do ditador Kim Jong-il (1942-2011), era conhecido por suas posições críticas ao regime da Coreia do Norte e disse a um jornal japonês que se opunha às transferências dinásticas de seu país, onde o poder passa de pai para filho.

Ele também afirmou que seu irmão Kim Jong-un, atual ditador norte-coreano, carecia de "um senso de dever e responsabilidade", e advertiu que a corrupção levaria a Coreia do Norte ao desastre.

Kim Jong-nam costumava ser chamado de "Pequeno general" quando era mais novo e chegou a ser considerado possível herdeiro do regime norte-coreano, mas caiu em desgraça em 2001, quando foi preso no aeroporto de Tóquio ao tentar entrar no Japão com um passaporte falso para visitar a Disneylândia.

Ele e sua família foram forçados então a viver praticamente no exílio em Cingapura e na China.

Kim Jong-nam já havia sido alvo de tentativas de assassinato no passado. Em outubro de 2012, promotores sul-coreanos informaram que um norte-coreano detido como espião admitiu ter participado de um complô na China em 2010 para encenar um acidente de carro a fim de atingi-lo.

Veja também

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime
Internacional

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19
VARIANTE DELTA

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19