Autor do ataque a aeroporto da Flórida é denunciado por 22 acusações

O réu, que confessou aos investigadores ter planejado o ataque, vai comparecer a um tribunal em Fort Lauderdale

Esteban SantiagoEsteban Santiago - Foto: Handout / Broward Sheriff's Office / AFP

O veterano da guerra do Iraque Esteban Santiago foi formalmente denunciado nesta quinta-feira (26) por 22 acusações, referentes ao tiroteio que deixou cinco mortos e seis feridos no aeroporto de Fort Lauderdale, ao norte de Miami.

Santiago, de 26 anos, recebeu 11 acusações por agir com violência contra uma pessoa em um aeroporto internacional, seis por uso de armas de fogo em um crime violento e cinco por homicídio com arma de fogo, segundo o documento da Procuradoria. Se for considerado culpado, Santiago pode ser condenado à morte, ou à prisão perpétua.

O réu, que confessou aos investigadores ter planejado o ataque, vai comparecer na próxima segunda-feira (30) a um tribunal em Fort Lauderdale para ouvir suas acusações.

Por volta do meio-dia de 6 de janeiro, o ex-militar americano iniciou um tiroteio no terminal 2 da área de bagagens do aeroporto dessa cidade balneária. Ele havia chegado de sua cidade de residência, Anchorage, no Alasca, apenas com a passagem de ida.

Em 7 de novembro, depois de ser demitido de uma empresa de segurança, Santiago foi a um escritório do FBI (a Polícia Federal americana) em Anchorage, onde disse que a CIA controlava sua mente ao obrigá-lo a olhar vídeos do Estado Islâmico (EI).

De acordo com o agente do FBI George Piro, Esteban Santiago foi submetido a uma avaliação psiquiátrica. Ex-membro da Guarda Nacional em Porto Rico e no Alasca, Santiago serviu no Iraque entre abril de 2010 e fevereiro de 2011. Encerrou suas funções militares em agosto.

Veja também

Vogue vai publicar nova capa com Kamala Harris após avalanche de críticas
Polêmica

Vogue vai publicar nova capa com Kamala Harris após avalanche de críticas

Joe Biden e Kamala Harris homenageiam 400 mil vítimas da Covid-19 no país
Estados Unidos

Biden e Kamala homenageiam 400 mil vítimas da Covid-19