Autoridades russas admitem pela 1ª vez existência de esquema de doping

O esquema gigantesco teria envolvido um número superior a 1.000 atletas de mais de 30 modalidades

Recife sediou a primeira Conferência, das oito que ainda estão programadas no EstadoRecife sediou a primeira Conferência, das oito que ainda estão programadas no Estado - Foto: Marcelo Vidal/Divulgação

Autoridades russas reconheceram publicamente, pela primeira vez, que houve uma "conspiração institucional" no país para fomentar um amplo esquema de dopagem.

Em entrevista ao jornal "The New York Times", a diretora-geral da agência antidoping russa, Anna Antseliovich, definiu com essas palavras o programa sistemático de fornecimento de substâncias ilícitas a atletas -que foi trazido à tona em investigações promovidas pela Wada (Agência Mundial Antidoping).

De acordo com apurações de uma comissão independente constituída pela Wada e outras feitas pelo professor Richard McLaren, autoridades, atletas, técnicos, membros do serviço secreto, laboratórios e médicos atuaram em conluio para burlar regras antidoping e obter medalhas, sobretudo, na Universíade de Kazan, em 2013, no Mundial de atletismo de Moscou, também em 2013, e nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, em 2014. O esquema gigantesco teria envolvido um número superior a 1.000 atletas de mais de 30 modalidades.

Segundo o "The New York Times", a mudança no tom promovida pelos russos tem a ver com um desejo de se reconciliar com entidades esportivas internacionais. Vale lembrar que o atletismo do país foi barrado dos Jogos Olímpicos do Rio pela IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo), e inúmeros atletas de outras modalidades também tiveram suas participações vetadas -a Rússia também foi banida dos Jogos Paraolímpicos do Rio.

Desde que o caso estourou, em dezembro de 2015, toda a cúpula do combate antidoping na Rússia foi substituída. Anna Antseliovich, que faz parte da nova safra de dirigentes do país e não está sendo investigada, quer melhorar as relações, principalmente com o COI (Comitê Olímpico Internacional).

Apesar de agora admitir que o esquema existiu, as autoridades russas rechaçam que houve patrocínio do Estado russo -em significado, do presidente Vladimir Putin e seus assessores mais próximos.

Vitali Smirnov, que foi indicado neste ano por Putin para reformar o sistema antidoping no país, disse: "cometemos muitos erros". Porém, "não quis falar sobre responsáveis".

Smirnov também foi ministro do Esporte do país. A pasta é de onde, segundo a Wada, partiu boa parte das orientações para implementar o esquema.
"Temos de encontrar as razões pelas quais jovens esportistas têm se dopado, por que eles concordam em se dopar", disse o dirigente, que ao mesmo tempo em que reconheceu o esquema de dopagem sugeriu que o consumo de substâncias ilícitas está disseminado por todo o esporte mundial.

Ele também argumentou a Rússia não contou com a mesma complacência oferecida a outras nações no que diz respeito a indícios de esquemas de dopagem em funcionamento.

Veja também

Imagem da rainha Elizabeth isolada em funeral do marido gera comoção nas redes sociais
Família Real

Rainha Elizabeth isolada em funeral do marido gera comoção

Tem início cortejo fúnebre do príncipe Philip, marido de Elizabeth II
Realeza britânica

Tem início cortejo fúnebre do príncipe Philip, marido de Elizabeth II