Autoridades russas autorizaram interferência em eleição nos EUA, dizem chefes da inteligência

Representantes de agências americanas de inteligência ainda comentaram que a China ainda conduz ciberespionagem contra o governo

Outro tema da reunião foram as candidaturas de vereadores para 2020Outro tema da reunião foram as candidaturas de vereadores para 2020 - Foto: Divulgação

Autoridades do governo da Rússia autorizaram a interferência nas últimas eleições dos Estados Unidos, apontaram nesta quinta-feira (5) chefes da inteligência americana em um testemunho escrito ao Senado.

"Chegamos à conclusão de que apenas os mais altos líderes russos poderiam autorizar o recente roubo e divulgação de dados relacionados com as eleições", disseram três chefes da inteligência em seu testemunho.

O documento é assinado pelo diretor de Inteligência Nacional, James Clapper, pelo subsecretário de Defesa para Assuntos de Inteligência, Marcel Lettre, e pelo chefe do Comando de Segurança Cibernética, o almirante Michael Rogers.

Os três testemunharam nesta quinta-feira ante o Comitê do Senado sobre Ciberpirataria, o Comitê Nacional Democrata e o chefe de campanha de Hillary Clinton, John Podesta.

Em seu depoimento, Clapper apontou que a Rússia "não alterou qualquer contagem de votos ou algo assim", e disse que "não há nenhuma maneira de medir o impacto" da divulgação dos e-mails sobre "as decisões do eleitores".

Perguntado se a interferência no período eleitoral poderia ser considerada um "ato de guerra", Clapper disse que é "uma decisão política pesada", mas acrescentou que em sua opinião foi uma iniciativa de "grande seriedade".

De acordo com Clapper, tratou-se de uma "campanha multifacetada", na qual a ciberpirataria foi "apenas uma parte, uma vez que também incluiu propaganda clássica, desinformação e notícias falsas".

O testemunho escrito dos três chefes da inteligência também aponta que a China mantém seus ciberataques contra "o governo dos Estados Unidos, seus aliados e contra empresas americanas", embora sua frequência tenha diminuído.

As relações entre Washington e Pequim tornaram-se extremamente tensas em 2014 na sequência de queixas de ataques cibernéticos chineses. Em setembro de 2015, os presidentes Barack Obama e Xi Jinping anunciaram um acordo de cooperação para combater ataques cibernéticos.

Veja também

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime
Internacional

Viúva do presidente assassinado do Haiti acusa seguranças por crime

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19
VARIANTE DELTA

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19