'Babá assassina' de Manhattan é condenada à prisão perpétua

Ao final de seis semanas de julgamento e apesar do testemunho de especialistas de que Ortega sofria de problemas psiquiátricos, o júri declarou a babá culpada

Central ParkCentral Park - Foto: wikipedia

Yoselin Ortega, a babá dominicana que em 2012 matou as duas crianças sob seus cuidados, em Manhattan, foi condenada nesta segunda-feira à prisão perpétua nos Estados Unidos. A mulher de 56 anos alegava que cometeu o duplo assassinato - de Leo e Lucia Krim - durante um momento de loucura. Leo tinha dois anos e Lucia, seis, quando foram esfaqueados e mortos no dia 25 de outubro de 2012.

Ao final de seis semanas de julgamento e apesar do testemunho de especialistas de que Ortega sofria de problemas psiquiátricos e se encontrava em estado "dissociativo" no momento dos crimes, o júri declarou a mulher culpada.

Leia também:
Com faca, homem ataca crianças em rua de Macaparana; menino é morto


O juiz Gregory Carro aceitou o pedido dos pais das crianças e do promotor e determinou que Ortega, uma "narcisista maligna" e o "mal em estado puro", não recupere a liberdade sob qualquer forma.

Pela primeira vez desde o início do julgamento, Ortega falou, para pedir clemência em razão de sua doença mental. Com lágrimas nos olhos, se desculpou.

O crime ocorreu no apartamento dos Krim - uma família de classe média alta - em Upper West Side de Manhattan, na zona do Central Park. A mãe, Marina Krim, que havia saído para buscar uma terceira filha, na aula de dança, encontrou Ortega no banheiro do apartamento junto com as crianças esfaqueadas na banheira.

Veja também

Brasileiros protestam em Lisboa contra o presidente Bolsonaro
Manifestações

Brasileiros protestam em Lisboa contra o presidente Bolsonaro

Pela 1ª vez, EUA celebram feriado nacional que marca fim da escravidão no país
Juneteenth

Pela 1ª vez, EUA celebram feriado nacional que marca fim da escravidão no país