Bali interrompe internet e conexões aéreas pelo 'Dia do silêncio'

Por ocasião do Ano Novo local, chamado Nyepi, os hindus, a maioria na ilha, cessam suas atividades por 24 horas durante as quais meditam e jejuam

Bali interrompe internet e conexões aéreas pelo 'Dia do silêncio'Bali interrompe internet e conexões aéreas pelo 'Dia do silêncio' - Foto: Sonny Tumbelaka/ AFP

As autoridades da ilha indonésia de Bali suspenderam nesta quinta-feira (7) os serviços de internet e de conexões aéreas para celebrar o "Dia do Silêncio", convidando as pessoas à meditação e introspecção.

Por ocasião do Ano Novo local, chamado Nyepi, os hindus, a maioria na ilha, cessam suas atividades por 24 horas durante as quais meditam e jejuam. O resto da população da ilha, assim como os inúmeros turistas, são convidados a permanecer em seus hotéis ou alojamentos.

Leia também:
Abertura de templo hindu a mulheres provoca choques na Índia
Líder hindu pede que cerveja Brahma mude de nome


O governo local pediu aos provedores de internet que interrompam seu fornecimento de sinal com exceção para serviços públicos essenciais como hospitais ou polícia. As atrações turísticas serão fechadas, assim como os shoppings.

Também será proibida a circulação de carros e motos, com exceção dos serviços de emergência. As luzes dentro das residências assim como a iluminação pública deverão ficar apagadas.

"Esperamos que os turistas possam respeitar esta tradição", informou I Ketut Ardana, da Associação de Turismo de Bali. O aeroporto internacional Ngurah Rai suspendeu a circulação aérea a partir das 6h desta quinta (hora local), o que afetará 468 voos, entre eles 207 internacionais.

O arquipélago da Indonésia é o país muçulmano mais populoso do mundo, mas, em Bali, mais de 80% da população professa uma versão local do hinduísmo.

Veja também

Países ricos vacinaram 39 milhões, pobres, apenas 25; OMS alerta para 'fracasso moral catastrófico'
Coronavírus

Países ricos vacinaram 39 milhões, pobres, apenas 25; OMS alerta para 'fracasso moral catastrófico'

OMS e China poderiam ter agido mais rápido à covid-19, dizem especialistas
Pandemia

OMS e China poderiam ter agido mais rápido à covid-19, dizem especialistas