Bebê palestino morre intoxicado por gás lacrimogêneo em Gaza

Bebê foi identificado como Leila al-Ghandour, de oito meses, e se soma aos 58 palestinos mortos durante a segunda-feira nos confrontos com as tropas israelenses

Gás lacrimogênio é atirado pelas forças israelenses contra manifestantes palestinos na Faixa de GazaGás lacrimogênio é atirado pelas forças israelenses contra manifestantes palestinos na Faixa de Gaza - Foto: Thomas Coex / AFP

Um bebê palestino morreu intoxicado após inalar gás lacrimogêneo lançado por Israel para reprimir manifestantes palestinos na fronteira com a Faixa de Gaza, informou nesta terça-feira (15) o ministério da Saúde do enclave. O bebê foi identificado como Leila al-Ghandour, de oito meses, e se soma aos 58 palestinos mortos, incluindo oito menores de idade, durante a segunda-feira (14) nos confrontos com as tropas israelenses.

Pelo menos 2.400 palestinos ficaram feridos, por tiros israelenses ou por inalar gás, de acordo com o ministério.Os moradores de Gaza pretendem protestar novamente diante da cerca de segurança que separa o território de Israel. Khalil al-Hayya, um dos líderes do Hamas, movimento islamita que governa a Faixa de Gaza, afirmou que as manifestações devem prosseguir.

O Hamas, que enfrentou Israel em três guerras desde 2008, apoia a mobilização e afirma que esta é uma iniciativa civil, um movimento pacífico. Os milhares de combatentes do grupo não utilizaram suas armas até o momento, mas Al-Hayya deu a entender que isto pode mudar.

Leia também:
Palestina acusa Israel de cometer massacre em Gaza
Palestinos são mortos por soldados israelenses em protesto na Faixa de Gaza
Ataque israelense deixa dois mortos e 14 feridos em Gaza

O exército israelense acusa o Hamas de utilizar este movimento para misturar combatentes armados entre a multidão ou para colocar artefatos explosivos na fronteira.

As autoridades israelenses mobilizaram milhares de soldados ao redor da Faixa de Gaza e na Cisjordânia pelo receio de novos distúrbios. "Qualquer atividade terrorista terá uma resposta", advertiu o governo.

Israel teme que os palestinos derrubem a cerca de segurança e entrem em seu território. O governo alertou que utilizará "todos os meios" para proteger a barreira, seus soldados e os civis. Ao mesmo tempo, o governo afirma que seus soldados só utilizam balas letais como último recurso.

Também estão previstas manifestações na Cisjordânia, a dezenas de quilômetros da Faixa de Gaza. Os dois territórios estão separados pelo território israelense. Israel recebeu críticas pelo uso excessivo de força na segunda-feira.

Nesta terça-feira, a China pediu moderação, "especialmente a Israel (...) para evitar uma escalada de tensão". As autoridades palestinas denunciaram um "massacre". Turquia e África do Sul decidiram convocar para consultas seus embaixadores em Israel.

A Anistia Internacional chegou a mencionar "crimes de guerra". Ancara acusou Israel de "terrorismo de Estado" e de "genocídio", atribuindo parte da responsabilidade ao governo dos Estados Unidos. A França "condenou a violência das Forças Armadas israelenses contra os manifestantes" palestinos.

Mas o governo dos Estados Unidos, aliado histórico de Israel e cujo presidente Donald Trump multiplicou os gestos favoráveis ao Estado hebreu, bloqueou na segunda-feira a aprovação de um comunicado do Conselho de Segurança que expressava "indignação e tristeza com as mortes de civis palestinos que exercem seu direito de manifestação pacífica".

Veja também

Preocupação e incógnitas em torno da variante indiana do coronavírus
Pandemia

Preocupação e incógnitas em torno da variante indiana

Vazamento de gás na Índia causa a morte de 22 pacientes internados com Covid-19
Tragédia

Vazamento de gás na Índia causa a morte de 22 pacientes internados com Covid-19