Bloqueio da CNN em espanhol na Venezuela é 'censura', diz chefe da OEA

Na quarta-feira (15), o presidente Nicolás Maduro ordenou a expulsão das operadoras de televisão por assinatura da filial em espanhol

Presidente Nicolás MaduroPresidente Nicolás Maduro - Foto: AFP

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, denunciou nesta sexta-feira (17) o bloqueio do sinal da CNN em espanhol na Venezuela, considerando a medida "autoritária" e incompatível com as normas interamericanas contra a censura.

"O governo da Venezuela, de forma autoritária, voltou ao ataque contra a liberdade de expressão, a democracia e o direito à informação do povo venezuelano", disse Almagro, em um vídeo postado em sua conta no Twitter.

Na quarta-feira (15), o presidente Nicolás Maduro ordenou a expulsão das operadoras de televisão por assinatura da filial em espanhol do canal americano, o qual classificou como "instrumento de guerra".

Para o secretário-geral do órgão regional, a decisão reforça "um regime de censura prévia incompatível com os instrumentos interamericanos que proíbem a censura para informações de notório interesse público".

Na quinta-feira (17), a autoridade reguladora das tTlecomunicações anunciou que também trabalha no bloqueio do sinal da emissora na Internet.

O gatilho da reação do governo venezuelano foi uma reportagem da CNN divulgada na semana passada. Nela, a rede denunciou uma suposta venda de passaportes e de vistos na embaixada venezuelana em Bagdá e a possibilidade de que esses documentos possam ter parado em mãos terroristas.

Caracas negou essas afirmações e desqualificou as fontes da reportagem.

Duro crítico do governo venezuelano, Almagro também denunciou a detenção e posterior expulsão dos jornalistas Leandro Stoliar e Gilzon Souza, da Rede Record, que investigavam as ramificações na Venezuela do escândalo de corrupção da construtora.

"A liberdade de expressão tem uma função social fundamental no sistema democrático. A censura e o assédio à imprensa estão transformando a liberdade de expressão na Venezuela uma declaração teórica", denunciou.

"Defender a liberdade dos meios de comunicação e dos jornalistas para se expressar é defender a democracia", insistiu, acrescentando que "esses são os valores que temos de recuperar na Venezuela já", completou.

Veja também

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip
Realeza

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia
Ásia

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia