Bomba mata 34 passageiros em ônibus no Afeganistão

A maioria dos passageiros eram mulheres e crianças; o ônibus passou sobre uma bomba colocada em uma estrada no oeste do Afeganistão

Um homem segura o corpo de uma criança que estava no ônibusUm homem segura o corpo de uma criança que estava no ônibus - Foto: Hoshang Hashimi / AFP

Ao menos 34 passageiros - a maioria mulheres e crianças - foram mortos nesta quarta-feira (31) quando um ônibus passou sobre uma bomba colocada em uma estrada no oeste do Afeganistão, informaram fontes oficiais. "Esta manhã, por volta das 6h00 (22h30 de terça-feira no horário de Brasília), um ônibus seguia pela autoestrada Kandahar-Herat quando foi atingido pela bomba dos talibãs. Ao menos 34 pessoas morreram e 17 ficaram feridas", disse Muhibullah Muhib, porta-voz da província de Farah. Segundo ele, a bomba era destinada a atingir as forças de segurança afegãs.

Outro porta-voz do governo local, Farooq Barakzai, advertiu que o número de mortos pode ser ainda maior, e que todas as vítimas eram civis. Até o momento, os rebeldes talibãs não confirmaram sua responsabilidade no incidente.

Leia também:
Explosão de carro-bomba mata 17 pessoas na Somália
Ataque do Boko Haram deixa ao menos 65 mortos na Nigéria
Sucesso da extrema direita colabora com clima de terror na Alemanha

Na véspera, um relatório das Nações Unidas advertiu que os civis continuam sendo mortos e feridos a um ritmo "inaceitável" no Afeganistão, apesar das negociações em curso para acabar com décadas de guerra.

Embora o número de vítimas nos primeiros seis meses de 2019 tenha reduzido em 27% em relação ao mesmo período de 2018, 1.366 civis foram mortos e 2.446 ficaram feridos, informou a Missão da ONU no Afeganistão (MANUA) em seu relatório semestral.

Um terço das vítimas são crianças (327 mortas e 880 feridas), principalmente devido a explosivos não detonados que manipulam sem estarem cientes dos riscos.

A MANUA informou que mais civis foram mortos pelas forças pró-governo do que por grupos insurgentes (717 contra 531), em grande parte devido a ataques aéreos afegãos e americanos.

Os Estados Unidos estão engajados desde o ano passado em um diálogo direto sem precedentes com o Talibã, na esperança de alcançar um acordo de paz. Washington parece determinado a acelerar essas negociações de paz, antes das eleições presidenciais afegãs, marcadas para o final de setembro, e da corrida pela Casa Branca, em 2020.

O negociador americano Zalmay Khalilzad está atualmente em Cabul e viajará a Doha, no Catar, nos próximos dias, para novas discussões com os insurgentes. Se ambos os lados chegarem a um acordo, um diálogo entre o Talibã e uma delegação afegã será aberto em Oslo, na Noruega.

Veja também

Disney corta 28.000 empregos nos EUA por causa da pandemia
EUA

Disney corta 28.000 empregos nos EUA por causa da pandemia

Cuba e Venezuela denunciam na Opas sanções "ilegais" dos Estados Unidos em meio à pandemia
Mundo

Cuba e Venezuela denunciam na Opas sanções "ilegais" dos Estados Unidos em meio à pandemia