Boris Johnson e Merkel concordam em não concordar sobre brexit

Uma fonte do governo britânico afirmou que a chanceler alemã, Angela Merkel, advertiu o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de que um pacto para a saída do Reino Unido do bloco europeu é 'extremamente improvável'

Primeiro ministro britânico Boris JohnsonPrimeiro ministro britânico Boris Johnson - Foto: HENRY NICHOLLS / POOL / AFP

As declarações emitidas por Reino Unido e União Europeia nesta terça (8) trazem uma notícia boa e outra ruim. A boa é que parece haver consenso. A ruim é que as duas partes concordam que não haverá acordo sobre o brexit.

Uma fonte do governo britânico, ouvida pela agência de notícias AFP, afirmou que a chanceler alemã, Angela Merkel, advertiu o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de que um pacto para a saída do Reino Unido do bloco europeu é "extremamente improvável", a menos que Londres aceite manter a Irlanda do Norte em uma união alfandegária com a União Europeia.

Para Londres, no entanto, a exigência faz com que um acordo seja "essencialmente impossível", indicou a fonte, destacando que Boris afirmou a Merkel ter apresentado uma proposta razoável. O governo alemão não divulgou até o momento sua versão da conversa.

Leia também:
Boris Johnson avisou Macron que não haverá adiamento do Brexit
Primeiro ministro britânico é acusado de assédio em congresso sobre o Brexit

Em público, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, acusou Boris de brincar com o futuro da Europa e do Reino Unido, com sua tentativa de atribuir a culpa aos europeus por um eventual fracasso das negociações do brexit.

"Boris Johnson, o que está em jogo não é ganhar uma disputa estúpida de culpa. O que está em jogo é o futuro da Europa e do Reino Unido, assim como a segurança e o interesse de nossos cidadãos", publicou Tusk em uma rede social.

O governo britânico rebateu e disse que a UE não tem mostrado comprometimento com as negociações.

Boris dá sinais cada vez mais claros de que desistiu de um acordo. O premiê considera que as negociações com a União Europeia vão fracassar e que ele terá que "fazer todo tipo de coisa" para impedir outro adiamento do brexit, de acordo com uma fonte do governo britânico citada pela revista The Spectator.

Caso o acordo morra nos próximos dias, a tratativa não será "revivida", informou a fonte próxima a Boris.

O calendário do brexit terá datas-chave em breve. Em 17 e 18 de outubro, haverá uma reunião de cúpula da UE, que poderá ser a última com a participação do Reino Unido. A expectativa é que a decisão sobre um acordo seja tomada até lá.

Caso não haja acerto até 19 de outubro, Boris será obrigado a pedir adiamento do brexit. A exigência foi aprovada pelo Parlamento britânico em setembro.

A saída sem acordo poderá gerar caos no Reino Unido, pois não se sabe como ficariam as regras para a circulação de pessoas e mercadorias.

A ex-primeira-ministra Theresa May fechou um acordo de saída em 2018, mas ele foi rejeitado seguidas vezes pelo Parlamento britânico, mesmo após algumas adaptações.

Boris repete constantemente que a saída ocorrerá mesmo sem acordo em 31 de outubro –e que não pedirá um terceiro adiamento. Isso alimenta especulações de que ele procura uma brecha na lei que permita a partida abrupta. "Acataremos a lei e sairemos da UE em 31 de outubro. A forma legal para isso é assunto do governo", enfatizou o porta-voz do governo britânico.

Se for forçado a um novo adiamento, Boris deve seguir buscando antecipar as eleições, nas quais faria uma campanha ostensiva pela retirada sem acordo, segundo uma fonte anônima do governo.

A fonte do governo não nega nem confirma as informações, o que levantou suspeitas de que se trata de um vazamento intencional para deixar claro aos outros 27 países europeus a determinação do governo britânico.

Segundo a ex-ministra do Trabalho Amber Rudd, que renunciou em setembro, essa fonte anônima é Dominic Cummings, consultor especial do primeiro-ministro e arquiteto da vitória do brexit no referendo de 2016.

Na semana passada, Boris apresentou proposta de acordo, com foco nas Irlandas, mas o plano não foi bem recebido.

A fronteira entre as Irlandas é o ponto mais sensível do brexit. Se for aprovado, a Irlanda (membro da UE) e a Irlanda do Norte (parte do Reino Unido) voltarão a ter uma fronteira, o que vai contra o acordo de paz firmado em 1998, que encerrou conflito de três décadas.

No domingo, Boris alertou, em conversa por telefone com o presidente francês Emmanuel Macron, que esta é a "última chance" de um acordo e que os líderes europeus não devem confiar que o Parlamento britânico impeça uma partida brusca.

O brexit foi aprovado em um referendo realizado em junho de 2016, por 52% dos votos. Desde então, o Reino Unido negocia os termos da saída, que já foi adiada duas vezes.

Veja também

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS
HIV

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS

Em reunião virtual com Fernández, Biden diz querer 'relação sólida' com América Latina
América

Em reunião virtual com Fernández, Biden diz querer 'relação sólida' com América Latina