A-A+

Brasil fica isolado em reunião da ONU sobre biodiversidade

Os objetivos são conservar áreas protegidas, evitar extinção de espécies e promover um uso sustentável dos recursos naturais, com apoio financeiro aos detentores de grandes reservas ambientais

A diplomacia brasileira estaria trabalhando para frear o progresso das negociações de um novo acordo global pela conservação da biodiversidade, segundo diplomatas de diversas nacionalidades ouvidos pela reportagem.

Os países têm até outubro - quando acontece a COP-15 da biodiversidade, na China - para chegar a um novo plano global, já que o atual, assinado em 2011, termina este ano.
Os objetivos são conservar áreas protegidas, evitar extinção de espécies e promover um uso sustentável dos recursos naturais, com apoio financeiro aos detentores de grandes reservas ambientais.

Leia também:
Vídeos celebram Dia Internacional da Biodiversidade
Damares deixa reunião da ONU em protesto contra regime venezuelano


O primeiro rascunho do documento apareceu na última semana, em negociação que foi até o sábado (29) com diplomatas de 140 países reunidos em Roma.

O Brasil - um dos maiores detentores da biodiversidade do mundo - não parece interessado em um acordo global.

Segundo negociadores, o país teria se recusado a discutir questões técnicas e optado por trazer discussões que não estavam em negociação, usando linguagem agressiva e propostas absurdas - que chegaram a ser respondidas com risadas.

A reportagem conversou sob condição de anonimato com diplomatas de três países de diferentes regiões e dois representantes de ONGs internacionais que acompanharam as negociações na condição de observadores.

Em todos os relatos colhidos, a atuação brasileira foi descrita como uma clara estratégia de distração, com constante desvio de atenção para questões que não estavam na mesa.
A radicalização dessa postura afastou países que costumavam ser representados pelos pronunciamentos brasileiros, como a Argentina, países africanos e grandes detentores de florestas.

Os depoimentos também apontam falta de embasamento técnico e linguagem agressiva como motivos para o isolamento do Brasil.

A representação brasileira chegou a gerar risos em uma reunião ao insinuar que a biopirataria seria a principal ameaça das áreas protegidas - apesar dos dados alarmantes sobre degradação e desmatamento.

O ministro Leonardo de Athayde também foi duramente criticado por causar confusão ao levar para a mesa questões da negociação de mudanças climáticas, que não caberiam no acordo de biodiversidade. Athayde é negociador-chefe do Brasil nos dois temas.

Segundo o Itamaraty, a estratégia brasileira tem como objetivo conseguir mais recursos financeiros para a conservação.

"Historicamente, o pilar de distribuição de benefícios tem sido negligenciado", diz nota do Itamaraty enviada à reportagem. "O objetivo é fazer que se caminhe para maior efetivação desse pilar, o que poderia assegurar recursos e transferência de tecnologia para países em desenvolvimento".

No entanto, os pares internacionais têm outras interpretações sobre a conduta diplomática do Brasil, vista como um sinal de pouco comprometimento com a conservação da biodiversidade.

Na opinião de um dos negociadores de um país desenvolvido, a estratégia do Brasil seria pragmática e econômica. O país visaria, no curto prazo, evitar mais condicionantes ambientais para acordos comerciais.

O acordo comercial negociado entre Mercosul e União Europeia - colocado sob suspense desde a crise das queimadas na Amazônia - já menciona como condicionante o cumprimento do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, pelo qual o Brasil se compromete com o desmatamento ilegal zero.

Embora não acreditem que a atuação brasileira possa impedir a assinatura de um acordo pela biodiversidade no próximo outubro, os diplomatas temem que as intervenções do país atrasem o processo, evitando o alcance de consensos mais significativos - o que resultaria em um acordo fraco.

Veja também

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente
Brasil

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar