Brasil lamenta falta de legitimidade nas eleições venezuelanas

Ministério das Relações Exteriores questiona o processo eleitoral venezuelano levantando dúvidas sobre sua transparência e liberdade

Nicolás Maduro, presidente da VenezuelaNicolás Maduro, presidente da Venezuela - Foto: Miguel Gutierrez/Agência Lusa

O governo do Brasil lamentou profundamente a forma como ocorreram as eleições presidenciais na Venezuela. Sem mencionar a reeleição do presidente Nicolás Maduro, que cumprirá mais 6 anos de mandato, o Ministério das Relações Exteriores questiona, em nota, o processo, levantando dúvidas sobre a liberdade, a transparência e o respeito aos preceitos democráticos. “O pleito do dia 20 de maio careceu de legitimidade e credibilidade”, diz a nota oficial.

Em seguida, o texto, divulgado na manhã desta segunda-feira (21), acrescenta que “o governo brasileiro lamenta profundamente que o governo venezuelano não tenha atendido aos repetidos chamados da comunidade internacional pela realização de eleições livres, justas, transparentes e democráticas”.

Na nota, o Itamaraty informa que o Brasil manterá a atuação na Organização dos Estados Americanos (OEA) em favor do “restabelecimento da institucionalidade democrática, do Estado de Direito e do respeito aos direitos humanos na Venezuela”.

Leia também:
Brasil e mais 13 países vão convocar embaixadores venezuelanos
FMI prevê inflação de 13.000% para a Venezuela
Nicolás Maduro é reeleito na Venezuela


“[O Brasil] seguirá empenhado em seus esforços de mitigar os efeitos da crise humanitária que vivem os venezuelanos e acolher, de acordo com a legislação nacional e nossas obrigações internacionais, os que ingressem em território brasileiro.”

O Itamaraty ressalta ainda, no texto, que as eleições ocorreram em meio a presos políticos, partidos e lideranças políticas inabilitados, “sem observação internacional independente” nem autonomia entre os Poderes.

“Assim, ao invés de favorecer a restauração da democracia na Venezuela, as eleições de ontem aprofundam a crise política no país, pois reforçam o caráter autoritário do regime, dificultam a necessária reconciliação nacional e contribuem para agravar a situação econômica, social e humanitária que aflige o povo venezuelano, com impactos negativos e significativos para toda a região, em particular os países vizinhos.”

Veja também

Argentina será o primeiro país da América Latina que produzirá a vacina russa Sputnik V
Vacina

Argentina será o primeiro país da América Latina que produzirá a vacina russa Sputnik V

EUA exige que Rússia permita a médicos independentes verem Navalny
Diplomacia

EUA exige que Rússia permita a médicos independentes verem Navalny