A-A+

Brasileiros denunciam xenofobia em universidade de Portugal

Em um dos cartazes, colado em uma caixa com várias pedras, os estudantes sugerem que os colegas atirem os objetos em algum 'zuca'

Caixa com pedras foi colocada em um corredor da universidadeCaixa com pedras foi colocada em um corredor da universidade - Foto: Reprodução/Twitter

Estudantes brasileiros da Faculdade de Direito de Lisboa denunciam casos de xenofobia vivenciados no campus da instituição, na capital de Portugal. Em publicação nas redes sociais, universitários mostram fotos de caixas com cartazes com dizeres preconceituosos que foram colocadas em corredores da faculdade nessa segunda-feira (29). O caso gerou reações nas redes sociais, e internautas lamentaram a situação.

Em um dos cartazes, colado em uma caixa com várias pedras, os estudantes sugerem que os colegas atirem os objetos em algum "zuca", termo pejorativo para se referir aos brasileiros. Os autores ainda citam que os brasileiros passaram "à frente no mestrado" como uma justificativa para a ação.

Leia também:
Vídeo com comentários xenofóbicos contra nordestinos causa revolta nas redes
Secretário-geral da ONU pede combate ao racismo e à xenofobia


Em depoimento à Folha de Pernambuco, a mestranda em Direito Constitucional Renata Silveira, de 34 anos, carioca e desde outubro de 2018 em Portugal, conta que já presenciou cenas de xenofobia anteriormente nas ruas, mas na faculdade só escutava relatos. "Sempre fui bem tratada pelos professores e pelos colegas. Fiquei muito assustada, principalmente pelo fato de ter sido no local onde eu estudo, um prédio de Direito de uma universidade renomada no mundo", afirmou.

A estudante ainda conta que sente um olhar diferente quando caminha nas ruas do país. "Acontece muito mais com quem vem para cá para trabalhar. Percebo que há esse preconceito e a gente fica chateada e magoada porque não espera sofrer isso dentro da instituição", acrescentou Renata. "A gente é visto como se tivesse roubando o lugar deles, mas não estamos roubando nada", finalizou.

Em nota, a universidade se posicionou sobre o caso. "Não serão toleradas quaisquer ações ofensivas relativamente a alunos da Faculdade", diz o texto, além de citar que a instituição está em fase de eleições para a Associação Acadêmica da Faculdade de Direito de Lisboa, o que pode ter provocado as manifestações contrárias aos brasileiros.

A resposta da instituição, no entanto, não evitou protestos dos brasileiros. Com cartazes com as frases "Queremos respeito" e "Xenofobia é crime" e bandeiras do Brasil, os estudantes reagiram às atitudes xenofóbicas. Um novo protesto está previsto para ocorrer nesta quinta-feira (2).

Protesto dos estudantes após o caso de xenofobia

Protesto dos estudantes após o caso de xenofobia - Foto: Reprodução/Twitter

Em entrevista ao jornal português Público, a subdiretora da Universidade de Lisboa, Paula Vaz Freire, afirmou que os responsáveis pela ação são um grupo conhecido como "Tertúlia", que "faz ações satíricas à margem da campanha eleitoral". Segundo ela, o cartaz foi retirado imediatamente após a direção tomar conhecimento. “A direção naturalmente repudia quaisquer atitudes impróprias de carácter xenófobo ou discriminatório”, reiterou. Ainda de acordo com a subdiretora, os autores da ação foram identificados. À Agência Lusa, o reitor da universidade, António Cruz Serra, afirmou que um processo disciplinar será instalado e os autores deverão ser "punidos exemplarmente".

Repúdio
Também em nota, o Núcleo de Estudo Luso-Brasileiro (NELB), entidade que representa os alunos brasileiros na faculdade, repudiou o que classificou de manifestações xenófobas "que atingemtoda a comunidade brasileira", diz o texto assinado pela presidente Elizabeth Matos Lima.

O núcleo afirmou ainda que o fato foi "extremamente agressivo" e que irá acompanhar o processo disciplinar instaurado pelo reitor da instituição. "Reforçamos que não é aceitável nenhum tipo de conduta que atinja a dignidade de outro indivíduo e convidamos toda a comunidade da Universidade de Lisboa a combater constantemente qualquer tipo de discriminação", finaliza a nota.

Veja também

ONU faz alerta sobre relação entre clima e segurança
CLIMA

ONU faz alerta sobre relação entre clima e segurança

Países do G4 pedem reforma do Conselho de Segurança da ONU
Conselho da ONU

Países do G4 pedem reforma do Conselho de Segurança da ONU