Caçador ilegal morre pisoteado por elefante e é devorado por leões na África do Sul

A família alertou a direção do parque nacional, que enviou guardas para procurar o corpo do caçador, mas eles só encontraram um crânio

LeãoLeão - Foto: Tambako the Jaguar/Divulgação

Um caçador ilegal que perseguia um rinoceronte no parque nacional sul-africano de Kruger morreu ao ser pisoteado por um elefante e depois foi devorado por leões, informou nesta segunda-feira (8) o Departamento de Parques (SanPark).

O caso foi revelado pelos supostos cúmplices da vítima, que informaram a morte à família do caçador, que foi esmagado por um elefante em 2 de abril, informou o porta-voz do SanPark, Isaac Phaahla. A família alertou a direção do parque nacional, que enviou guardas para procurar o corpo do caçador, mas eles só encontraram um crânio na quinta-feira passada.

Leia também:
Hospital Veterinário oferece mil vagas gratuitas para castração de animais
Vale deu remédio vencido para animais em Brumadinho, diz Ibama


"A presença de um grupo de leões foi confirmada na área e parece que devoraram o corpo da vítima", disse Phaahla, antes de indicar que especialistas tentam confirmar a informação. "Entrar ilegalmente e a pé no parque nacional Kruger não é prudente", recordou o diretor do local, Glenn Phillips. "É muito perigoso e este incidente é uma nova prova disso", completou.

Os quatro cúmplices da vítima foram detidos e devem comparecer esta semana a uma audiência com um juiz. A cada ano milhares de rinocerontes são mortos na África para a retirada de seus chifres, muito apreciados na medicina tradicional em países como China e Vietnã.

No continente africano restam quase 5.000 exemplares do rinoceronte negro, quase 1.900 deles na África do Sul. O país também tem 20.000 rinocerontes brancos, 80% da população mundial.

Veja também

Acusado de furar fila da vacina, chefe do Estado-Maior espanhol renuncia
Coronavírus

Acusado de furar fila da vacina, chefe do Estado-Maior espanhol renuncia

Oslo em semiconfinamento devido a surto de variante inglesa do coronavírus
Coronavírus

Oslo em semiconfinamento devido a surto de variante inglesa do coronavírus