Campanha de Hillary acusa FBI de usar dois pesos e duas medidas

Diretor do FBI havia dito que reabriria o inquérito contra Hillary após ter descoberto novas mensagens envolvendo a presidenciável

Câmara do RecifeCâmara do Recife - Foto: Divulgação

O chefe da campanha de Hillary Clinton, Robby Mook, acusou o FBI (a polícia federal norte-americana) de usar "dois pesos e duas medidas" na investigação sobre o uso de um servidor de e-mail privado pela candidata democrata para enviar mensagens oficiais no período em que era secretária de Estado (de 2009 a 2013). A informação é da Agência Ansa.

Na sexta-feira (28), o diretor do FBI, James Comey, havia dito que reabriria o inquérito contra Hillary após ter descoberto novas mensagens envolvendo a presidenciável. No entanto, ele não deu detalhes sobre o inquérito e jogou uma nuvem de desconfiança sobre a candidata.

"O FBI usa de modo despudorado dois pesos e duas medidas", declarou Mook, após a divulgação da notícia de que Comey não quis revelar nada sobre um inquérito que apura eventuais interferências da Rússia na eleição de 8 de novembro devido à proximidade da votação.

Líderanças do Partido Democrata e a Casa Branca denunciam uma tentativa de hackers ligados ao Kremlin de influenciar no resultado da semana que vem para beneficiar o republicano Donald Trump, que é mais próximo ao presidente Vladimir Putin. Nos últimos meses, a legenda liberal tem sido alvo de diversos vazamentos que constrangeram a campanha de Hillary, como aqueles que revelaram ações do comando democrata para favorecê-la em detrimento do senador Bernie Sanders.

Segundo a emissora CNBC, um documento que o diretor do FBI não quis divulgar diz que a inteligência dos Estados Unidos está convencida de que Moscou está por trás dos recentes ataques cibernéticos contra o ambiente político no país. "É impossível não considerar esse caso como um uso de dois pesos e duas medidas", acrescentou o chefe da campanha de Hillary, cobrando "explicações imediatas" de Comey.

O jornal The New York Times, que apoia a democrata, também criticou o FBI e disse que seu diretor cometeu "grave erro" ao não ter considerado o impacto do anúncio da reabertura do inquérito dos e-mails na eleição de 8 de novembro. "Agindo desse modo, Comey pareceu estar mais preocupado em se proteger das críticas. E agora, graças a ele, o Departamento de Justiça e o FBI estão debruçados em centenas de milhares de e-mails para determinar se contêm algo de relevante antes de 8 de novembro, mantendo o país em suspense. Este não é o modo de conduzir investigações federais", afirmou o jornal.

Em junho passado, o FBI havia decidido não incriminar Hillary pelo uso de servidores privados durante o exercício do cargo de secretária de Estado por não ter encontrado provas de que ela e sua equipe quisessem violar a lei. No entanto, a polícia descobriu novos e-mails enviados pela democrata no computador de Anthony Weiner, ex-marido de Huma Abedin, considerada sua colaboradora mais próxima.

As mensagens teriam sido recebidas por Abedin na época em que ela ainda vivia com Weiner, que é investigado por supostamente ter enviado fotos e textos de conteúdo sexual a uma adolescente de 15 anos.

Veja também

Pandemia de coronavírus na Europa está longe de terminar, diz agência de controle
Coronavírus

Pandemia de coronavírus na Europa está longe de terminar, diz agência de controle

Justiça libera livro de sobrinha sobre Trump, 'homem mais perigoso do mundo'
Trump

Justiça libera livro de sobrinha sobre Trump