Casal Obama fecha acordo com valor recorde para publicação de livros

Ex-presidente dos EUA e esposa devem escrever um livro cada um, que deve ser lançado também no brasil

Casal deve lançar livros de memóriasCasal deve lançar livros de memórias - Foto: Zach Gibson/AFP

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama e sua mulher, Michelle, assinaram um acordo editorial de valor recorde com a Penguin Random House, que prevê um livro de cada um, de acordo com um comunicado divulgado nesta terça-feira (28). No Brasil, os livros deverão sair pela Companhia das Letras.

Apesar de os detalhes do acordo não terem sido revelados pela editora, o jornal "Financial Times" indicou que a oferta para garantir os direitos sobre os livros ultrapassou os US$ 65 milhões.

Se esse valor for confirmado, será um dos contratos mais lucrativos da história. O antecessor de Barack Obama na Casa Branca, George W. Bush, recebeu cerca de US$ 10 milhões por suas memórias, segundo vários veículos. Antes dele, o ex-presidente Bill Clinton levou US$ 15 milhões pela autobiografia "Minha vida".

Markus Dohle, presidente executivo da Penguin disse estar "emocionado por continuar parceria de publicações com os Obama". Obama publicou "A origem dos meus sonhos" ("Dreams From My Father", 1995) e "A audácia da esperança" ("The Audacity of Hope", 2006) com editoras associadas da Penguin Random House. Cada um vendeu mais de três milhões de exemplares, apenas nos Estados Unidos.

A ex-primeira-dama publicou em 2012 "American Grown: The History of the White House Kitchen Garden and Gardens Across America", um livro sobre jardinagem e alimentação, pela editora Crown, também da Penguin Random House.

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd
EUA

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd