Catar rejeita intervenção em sua política externa

"Ninguém tem o direito de intervir na nossa política externa", declarou o xeque Mohammed ben Abderrahmane Al-Thani em entrevista à AFP em Doha

Doha, capital de CatarDoha, capital de Catar - Foto: STR / AFP

O Catar rejeita toda intervenção em sua política externa, declarou nesta quinta-feira (8) à AFP seu ministro das Relações Exteriores, em um contexto de grave crise no Golfo entre o seu país, acusado de apoiar o terrorismo, e a Arábia Saudita e os seus aliados.

"Ninguém tem o direito de intervir na nossa política externa", declarou o xeque Mohammed ben Abderrahmane Al-Thani em entrevista à AFP em Doha. Ele excluiu, no entanto, que a tormenta atual possa resultar em um conflito armado. "Uma solução militar não é uma opção garantiu".

Neste contexto, os presidentes dos Estados Unidos Donald Trump e da França Emmanuel Macron fizeram ligações enquanto o emir do Kuwait tenta mediar a crise com visitas à Arábia Saudita, aos Emirados Árabes Unidos e ao Catar.

Os sauditas e os seus aliados consideram que o Catar tem que "mudar de política" e seguir a mesma linha que os seus vizinhos a respeito dos movimentos islamitas radicais e em sua relação com o Irã, grande rival xiita do reino saudita, majoritariamente sunita.

"Esperamos que nossos irmãos do Catar tomem as medidas corretas para acabar com esta crise", disse o ministro saudita das Relações Exteriores, Adel al-Jubeir.

Os Emirados Árabes Unidos mantêm uma posição extrema, qualificando as autoridades de Doha como "campeãs do extremismo e do terrorismo na região".

Segundo um responsável de alto escalão da região consultado pela AFP, a crise se explica pela "influência" que o antigo emir catariano Hamad bin Khalifa Al-Thani, de 65 anos, exerce sobre o seu filho, o xeque Tamim, de 37 anos, que chegou ao poder em 2013 depois da abdicação de seu pai.

O xeque Hamad conseguiu colocar o Catar no mapa local e internacional impulsionando o seu papel mediador em várias crises e aparecendo na linha de frente das revoltas árabes de 2011.

- Resolver diferenças -

A crise começou nesta semana quando Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito, Bahrein, Mauritânia e Maldivas decidiram romper as suas relações diplomáticas com o Catar e, no caso de alguns países, aplicar sanções econômicas e restrições no tráfego aéreo.

O presidente americano, Donald Trump, que apoiou a decisão de isolar o Catar, oferece agora a sua ajuda para sair da crise.

Em uma ligação com o xeque Tamim, Trump "propôs ajudar as partes a resolver suas diferenças, inclusive com uma reunião na Casa Branca se for necessário".

O presidente francês, Emmanuel Macron, se encontrou com o emir do Catar, com o presidente iraniano, Hassan Rouhani, e com o rei Salman da Arábia Saudita, e convidou todas a partes a continuar dialogando.

Na quarta-feira, o emir do Kuwait, o xeque Sabah Al-Ahmad Al-Sabah, viajou ao Catar depois de ter se reunido com o rei saudita em uma tentativa de mediação.

O Catar nega todas as acusações e assegura que a crise é consequência das falsas declarações de seu emir sobre o Irã e a Irmandade Muçulmana, publicadas pela agência de notícias que, segundo as autoridades, foi hackeada.

Na quarta-feira, o ministro catariano do Interior publicou um relatório preliminar sobre a investigação do suposto ciberataque que teria começado em abril, mas não identificou os autores.

Veja também

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira
Capitólio

Policiais do Capitólio prendem homem que tentou passar por barreira

EUA realiza última execução do mandato de Trump
EUA

EUA realiza última execução do mandato de Trump