Centenas de trabalhadores ficam presos em mina de ouro na África do Sul

Sindicato pediu à operadora que mobilize todos seus recursos para tirar os operários da mina o mais rápido possível

Mina na Àfrica do SulMina na Àfrica do Sul - Foto: Reprodução

Mais de 900 trabalhadores estão presos desde a quarta-feira (31) à noite em uma mina de ouro situada no centro da África do Sul, devido a problemas elétricos ocasionados por uma tempestade, informou nesta quinta-feira (1º ) a companhia proprietária da exploração. A informação é da agência EFE.

A mina, conhecida como Beatrix, está situada cerca de 240 quilômetros ao sudoeste de Joanesburgo e é operada pela companhia sul-africana Sibanye-Stillwater. Através de um comunicado divulgado hoje, a Associação de Mineiros local confirmou a notícia e manifestou sua "extrema preocupação" com os trabalhadores presos.

Leia também
Acidente de trem mata 14 pessoas na África do Sul
Vizinhos da África do Sul suspendem importações devido à gripe aviária


O sindicato pediu à operadora que mobilize todos seus recursos para tirar os operários da mina o mais rápido possível. Fontes da Sibanye-Stillwater garantiram que as vidas dos mineiros não correm perigo e que os mesmos já receberam água e comida enquanto continuam os trabalhos de resgate.

"Agora conseguimos geradores e estamos tentando conectá-los ao elevador de carga para trazê-los à superfície, mas estamos experimentando algumas dificuldades com o circuito, que podem estar relacionados com a sobrecarga produzida pela tempestade", explicou James Wellsted, porta-voz da empresa.

Por sua parte, o governo sul-africano enviou inspetores do Departamento de Mineração à região e confirmou que todos os trabalhadores presos já foram localizados.

Veja também

Senador republicano acusa Trump de 'corrupção histórica' após indulto a ex-assessor
Interferência

Senador republicano acusa Trump de 'corrupção histórica' após indulto a ex-assessor

Partidos pró-democracia de Hong Kong celebram primárias
Notícias

Partidos pró-democracia de Hong Kong celebram primárias