Cerca de 200 países fecham acordo para reduzir gases de efeito estufa

O acordo será incluído no Protocolo de Montreal

Câmara dos deputadosCâmara dos deputados - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Representantes de aproximadamente 200 países fecharam um acordo para diminuir gases que geram efeito estufa usados em geladeiras e aparelhos de ar-condicionado. O anúncio foi feito neste sábado (15).

O acordo, que inclui as duas maiores economias do mundo, EUA e China, divide os países entre três grupos com diferentes prazos para reduzir o uso de gases HFC (Hidrofluorcarbonetos), cujo impacto no efeito estufa pode ser até 10 mil vezes maior do que o do dióxido de carbono (CO2). "É um monumental passo à frente", disse o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, ao deixar o encontro sobre o tema em Kigali, capital de Ruanda, na África.

O acordo será incluído no Protocolo de Montreal, conjunto de negociações feitas desde a década de 1980 que buscava, inicialmente, a redução do uso de gases que danificam a camada de ozônio.

Pelo pacto, nações desenvolvidas, incluindo a maior parte da Europa e os Estados Unidos, concordaram em reduzir o uso desses gases aos poucos, começando com um corte de 10% até 2019. A meta é chegar a 85% de redução até 2036.

Muitos países ricos já começaram a reduzir seu uso de HFCs. Um grupo de países em desenvolvimento congelará seu uso desses gases em 2024 e outro grupo, em 2028, para depois disso baixar o consumo deles.

O grupo que inclui Brasil, China e África do Sul terá como meta atingir 85% de redução desses gases até 2045, tendo como referência o consumo médio entre 2020 e 2022.

Índia, Irã, Iraque, Paquistão são alguns que receberam prazo mais longo e terão até 2047 para atingir a mesma meta de redução, com base no consumo médio registrado entre 2024 e 2026.

Esses países rejeitaram um prazo antecipado porque possuem muitos habitantes que querem usar o ar-condicionado para enfrentar as altas temperaturas locais. Já a Índia teme prejuízos para sua indústria.

Ao contrário do acordo de Paris, o pacto fechado em Kigali tem um cronograma detalhado e um acordo para que países ricos ajudem nações em desenvolvimento a adaptar suas tecnologias.

Uma rápida redução do uso de HFCs poderia ser uma grande contribuição para frear a mudança climática, evitando um aumento de 0,5º C na média global de temperatura até 2100, de acordo com cientistas. "No ano passado em Paris, prometemos manter o mundo salvo dos piores efeitos da mudança climática. Hoje, avançamos nessa promessa", disse Erik Solheim, chefe de meio ambiente da ONU.

Veja também

Astronauta estadunidense vota do espaço
Eleições EUA

Astronauta estadunidense vota do espaço

Para estimular ida às urnas, revista Time substitui logotipo pela 1º vez
internacional

Para estimular ida às urnas, revista Time substitui logotipo pela 1º vez